Vice-presidente do Governo catalám reclama a plena oficialidade lingüística da língua catalá na Europa

O catalám é usado diariamente por dez milhons de europeus

Quarta, 20 Janeiro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL Países Cataláns – O vice-presidente do Governo catalám, Josep Lluís Carod-Rovira, reclamou ontem «a plena oficialidade lingüística» do catalám na Europa, «um direito ao que, como cidadáns europeus, nom podemos renunciar».

Durante um jantar que a Generalitat ofereceu aos secretários e directores gerais da Uniom Europeia, com motivo da presidência espanhola da UE, Carod Rovira pediu «umha reflexom rigorosa sobre esta grande anomalia legal e a reacçom positiva imprescindível para que o catalám adquira a plena oficialidade».

Na mesma linha, Rovira instou à Europa a «reconhecer a sua diversidade profunda e real, para além da diversidade entre estados», e neste sentido, argumentou que «um primeiro passo inadiável seria reconhecer oficialmente realidades linguísticas tam sólidas e claras como a do catalám, idioma usado diariamente por dez milhons de europeus».

Ainda, o vice-presidente do Governo catalám recordou que actualmente o catalám é a duodécima língua europeia mais falada, «por adiante de muitas línguas estatais e oficiais na Europa», e tem sublinhado «a responsabilidade e o compromisso internacional que tem demonstrado historicamente a Catalunha, umha naçom responsável no concerto das naçons da Europa, um país que quer assumir directamente seu papel e suas responsabilidades no processo de construçom europeia».

Assim mesmo, Carod referiu-se ao «carácter nacional da Catalunha, como entidade política com opinions próprias e diferenciadas sobre a construçom europeia». Neste contexto, tem recordado as contribuiçons que fez em seu momento ao projecto de Constituiçom Europeia ou mais recentemente na presidência espanhola da Uniom.