Governo navarro retira placas de ruas em basco

A ordem em vigor desde 1997 obriga, em seu artigo 8, a que seja bilingüe «a rotulaçom de ruas, edifícios e espaços públicos»

Segunda, 25 Janeiro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL – O governo municipal de UPN continua com a sua política linguística de eliminar o basco das placas que indicam o nome das ruas. Nesta ocasiom, a danificada foi a rua Orkoien. Para além da placa castelhaniçada, nos últimos dias o governo municipal também tem eliminado o basco no novo cartaz que indica a rua Cortes de Navarra.

Na localidade existem, no mínimo, duas placas que indicam essa via como rua Orcoyen, umha denominaçom incorrecta que incumpre a ordem municipal da língua basca e que nem existe, nem corresponde à localidade que oficialmente só se conhece como Orkoien, com sua grafia unicamente em língua basca.

Nesta placa, ademais de Orcoyen, em letra pequena recolhe-se em bilingüe a resenha Antiga estrada de Orcoyen-Orkoiengo errepide zaharra; porém, a utilizaçom do termo Orcoyen choca frontalmente com o aprovado polo município em 2001, quando o pleno decidiu por maioria a denominaçom única de Orkoien. O processo, ademais, tive especial ressonância porque o Governo foral de UPN denegou a referida aprovaçom, contra o critério do Serviço de Normalizaçom e Fomento da língua basca da Administraçom foral, Euskaltzaindia e o Nomenclátor do próprio Governo. Precisamente com estes argumentos, Orkoien recorreu judicialmente e o TSJN deu a razom ao município em Junho de 2003, desautorizando ao Executivo de UPN e dando oficialidade à denominaçom Orkoien.

Para além da placa castelhaniçada, nos últimos dias a Prefeitura também tem eliminado o basco no novo cartaz que indica a rua Cortes de Navarra, prescindindo da fórmula Nafarroako Gorteak, que no entanto se mantém no resto de placas dessa via, colocadas anos atrás. Estes casos, como fica dito, nom som os únicos ocorridos nos últimos tempos. Basta com recordar a placa de Rua Maior Kalea colocado perto de Sam Lourenço em Fevereiro de 2009 e que a equipa de Barcina deveu retirar ante o protesto da maioria política do Pleno, que exigiu a fórmula bilingüe Maior-Nagusia.

De facto, no pleno do 20 de Fevereiro de 2009, a maioria que somam NaBai, PSN e ANV conseguiu aprovar umha moçom defendida por Itziar Gómez na que se exigia à equipa de Barcina «restituir em todas as ruas de Pamplona-Irunha o modelo de rotulaçom bilingüe empregado dantes das últimas modificaçons».

O Governo municipal de UPN tinha colocado placas na rua Maior, na Chantrea e em Mendillorri unicamente em castelhano, o que não se ajustava à ordem municipal do basco. O outro ponto aprovado instava a «aprovar o de rua bilingüe da cidade que se vem utilizando por parte de mapas, Correios, ou GPS, de maneira que fique regulado definitivamente», algo que em um ano depois nom se abordou.

Como se sabe, a ordem em vigor desde 1997 obriga, em seu artigo 8, a que seja bilingüe «a rotulaçom de ruas, edifícios e espaços públicos». Em outras ocasions, fontes municipais têm explicado a nova rotulaçom sem traduzir em que basta com empregar o termo Kalea para assegurar o bilingüismo, sem que faça falta traduzir a denominaçom da rua. Isso poderia valer no caso de apelidos, como Jarauta, mas nom explica a ausência do termo Nagusia, equivalente em euskera de Maior.