Cinco organizações civis irlandesas unem-se para pôr em andamento uma escola de imersom em gaélico

O projecto por uma nova 'Gaelscoil' nom obteve a permissom do Departamento da Educaçom da Irlanda

Quinta, 06 Maio 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Nationalia.cat - A pequena localidade de Ráth Tó, na República da Irlanda, é o palco nestes dias de uma revoluçom por parte de várias organizações em favor do gaélico irlandês, que têm decidido passar acima da decisom do Departamento da Educaçom de nom autorizar a abertura de uma escola de primário de imersom linguística em irlandês ('gaelscoil').

As organizações, que se agruparam sob o nome Aitheantas ('Reconhecimento'), lamentam que a Administraçom irlandesa nom tenha em conta a questom linguística à hora de autorizar novos centros educativos e, ante a sua negativa, decidiram preparar-se para que a escola possa entrar em funcionamento a partir do mês de setembro, ainda que seja sem o reconhecimento oficial do Departamento.

Aitheantas tem começado uma campanha para angariar fundos para a abertura, e tem previsto fazer lobby ao sim do Departamento da Educaçom, tarefa pela que contarám com o apoio de alguns regedores municipais. A esperança é que a Administraçom acabe reconhecendo a escola, mas os seus responsáveis disseram que nom esperarám até esse momento para começar.

Para além do caso concreto de Ráth Tó, o movimento pró-gaélico atribui ao Departamento da Educação irlandês uma mudança de critérios com respeito às gaelscoileanna. Uma das porta-vozes da nova plataforma, Anita Sheppard, explica a The Meath Chronicle que apesar de que há "uma grande procura" para o novo centro de imersom, "o Departamento nega-se a diferenciar as novas escolas com respeito à língua", de maneira que nom se tem em conta se uma determinada zona precisa um centro deste tipo ou nom. Recentemente, muito poucas escolas em gaélico irlandês têm sido aprovadas. A última foi em 2008, segundo explica Sheppard, "e nom parece que a situaçom tenha que mudar".

As organizações apontaram que tudo isso é uma questom de alcance nacional, que atenta contra os direitos linguísticos de pais e alunos, e ameaça o movimento das gaelscoileanna, "um dos sectores educativos que mais rapidamente está a crescer" na Irlanda. "Gostaríamos de ver uma aproximaçom mais justa por parte do Departamento com respeito ao estabelecimento de escolas de imersom na primeira língua do Estado, segundo o que diz o Artigo 8 do Bunreacht na hÉireann", explicou Sheppard.

 

+ Mais informaçom: