Protestos contra o ensino monolíngüe chinês no Tibete

Em 19 de Outubro começou umha série de manifestaçons polo temor dos tibetanos a que o seu idioma seja mais marginado polo domínio chinês

Domingo, 24 Outubro 2010 21:49

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Localizaçom geográfica do Tibete, actualmente sob administraçom chinesa

PGL - Milhares de estudantes saírom à rua para protestar  contra a nova política lingüística imposta polas autoridades chinesas no Tibete. Os estudantes temem que as autoridades acabem por banir o tibetano do conjunto do ensino, ficando em apenas umha matéria.

«Queremos que regresse a liberdade à língua tibetana», é o lema dos manifestantes, como indica o Free Tibet Campaign. Os feitos originárom-se após umhas declaraçons de Quang Wei, chefe do Partido Comunista na província de Qinghai, que falou da conveniência de usar umha «língua comum» na escola. Quinghai encontra-se fora dos limites administrativos da Regiom Autónoma do Tibete, mas é de maioria tibetana e também destaca por ter sido um dos principais focos dos protestos independentistas de 2008.

Esta língua comum nom seria outra que a versom padrom do chinês mandarim. Os estudantes entendem, pois, que as aulas e os livros serám todos em chinês, e que se abandonará o sistema parcialmente bilingüe que existe actualmente nas áreas de fala tibetana desta província, que som a maioria.

O Governo, pola sua parte, nega que exista protesto algum, embora o Free Tibet tenha publicado umha série de fotografias onde se viam as manifestaçons contra o monolingüismo chinês.

 

+ Fonte: