Declaram o quéchua e o aimara línguas oficiais da região peruana de Puno

A proteção institucional coincide com a perda de transmissão intergeracional

Sexta, 09 Dezembro 2011 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Nationalia - Uma nova ordem pede às autoridades regionais que introduzam o ensino das duas línguas "em todos os níveis educativos". 41% da população da região fala quéchua e 30%, aimara. A oficialização de ambas as línguas está prevista na Constituição peruana.

A governação regional de Puno aprovou uma ordem regional segundo a qual o quéchua e o aimara foram declarados línguas oficiais, juntamente com o castelhano. A ordem especifica que as línguas serão oficiais no seu "âmbito geográfico correspondente" e também "em todo o âmbito da administração pública".

As pessoas falantes das línguas autóctones são maioria das 1.143.000 habitantes de Puno. Conforme uma projeção dos dados estatísticos oficiais, 41% dos residentes falam quéchua e 30%, aimara.

A ordem da região de Puno segue o artigo 48 da Constituição peruana, segundo a qual "são idiomas oficiais o castelhano e, nas zonas onde predominarem, também o quéchua, o aimara e as outras línguas aborígens, segundo a lei".

Além do mais, a ordem pede às autoridades regionais para introduzirem "progressivamente" o ensino do aimara e do quéchua "em todos os níveis de educação" e que reforcem os programas bilingues "na educação básica".

Tradução do Diário Liberdade

 

+ Ligações relacionadas: