Denuncia um guarda civil por agredi-lo no aeroporto do Prat por falar em catalám

O agente teria-lhe batido com um bastom enquanto lhe gritava “polaco de mierda”

Segunda, 30 Janeiro 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Ilustraçom de Iván Solbes em Público

Llibertat - Um jovem advogado catalám que na passada sexta-feira tinha de pegar num voo para Madri do aeroporto do Prat, foi espancado e insultado pola Guarda Civil polo facto de ter mantido umha conversa em catalám.

Segundo informou inicialmente o site Som Notícia, dous agentes do corpo armado que vigiam o aeroporto teriam levado o jovem para um quarto após esta pessoa lhes falar em catalám, e um deles teria-o atingido repetidamente com um bastom e à mao enquanto lhe gritava "polaco de mierda".

Também se indica que à vítima lhe ficou dormente a perna durante uma hora após os golpes. Este jovem advogado catalám também sofreu um ataque de ansiedade depois da agressom e humilhaçom dos agentes do corpo militar.

Segundo indicou o digital do jornal Ara, D.T. (iniciais do advogado agredido) dixo que a reaçom de um dos agentes – concretamente, um cabo- foi "burlesca e agressiva" e que lhe exigiu que lhes falasse em castelhano. O jovem advogado afirmou que tentou de evitar problemas para nom demorar-se, e que uma vez que o conduziam retido a uma sala o jovem mudou de língua e falou-lhes também em castelhano.

D.T. explicou que uma vez dentro da sala, com apenas uma cadeira e uma mesa, figérom-lhe tirar os sapatos e a jaqueta e o cabo deu-lhe uma dura pancada na coxa com um objeto metálico que o fijo cair e lhe adormeceu a perna durante uma hora.

Segundo o jovem advogado, depois este agente tornou a bater até cinco vezes com a mao estendida enquanto lhe gritava "polaco de mierda" e "fala agora em catalám se tens collhons".

Como se passa habitualmente depois deste tipo de agressons, quando o jovem quis recorrer a emergências para denunciar a situaçom, os guardas civis decidírom denunciá-lo por "insultos" e "nom se querer identificar". Os agentes do corpo armado também se negárom a mostrar o número de insígnia e a cópia da denúncia que interpugérom contra ele, que DT nom quijo assinar.

 

+ Ligaçons: