Nova tentativa para a padronizaçom do inuktitut

A principal associaçom inuit prepara um plano para poder unificar a língua escrita e que seja ensinada nas escolas · Algumhas vozes críticas assinalam as grandes dificuldades para uma língua oral e os temores que podam perder-se alguns dialetos

Quarta, 20 Junho 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Rótulo em inglês, inuktitut e francês | Imagem: Zanna Lyons

Nationalia - A Inuit Tapiriit Kanatami (organizaçom que agrupa a populaçom de diferentes povos inuits do Canadá) está a preparar um plano integral para a padronizaçom da língua inuktitut, que quer apresentar no outono deste ano. Mais alá de tentar alterar as diferentes variantes dialetais que existem, a intençom é conseguir uma língua padrom (sobretodo, escrita) de modo a que, entre outras cousas, poda ser ensinada nas escolas do Canadá.

O governo do Canadá deu 300.000 dólares para poder desenvolver o projeto, que segue o exemplo da estandardizaçom que se deu na Groenlándia durante a década de 1960. Segundo explica a ITK, este processo permitiu que, atualmente, todas as comunicaçons do governo na zona sejam em língua groenlandesa (o kalaallisut) padrom, ainda que cada comunidade continue a falar o seu dialeto. Neste processo houvo dificuldades sérias para se poder introduzir o rico vocabulário que as populaçons do norte da ilha utilizam como conseqüência da caça no gelo, o seu principal modus vivendi.

Problemas e críticas

Apesar das tentativas da ITK para levar a cabo o projeto, a situaçom nom é fácil numa língua que está mui disseminada e onde a tradiçom oral é omnipresente. Este é o principal problema, já que, ao se plasmarem na escrita, há muitas sílabas que som impronunciáveis para algumhas populaçons e onde a ortografia é quase inexistente e muito diferente conforme as latitudes. Segundo algumhas vozes de ativistas inuits, isso dificultaria ainda mais o ensino na língua própria e poderia pôr em perigo certos dialetos.

Apesar destas dificuldades, para a ITK a padronizaçom é uma tarefa imprescindível para fazer prevalecer a língua por toda da naçom inuit e que nom se perda na tradiçom oral, à medida que as sociedades forem desenvolvendo-se. Reconhecem porém que é um trabalho de longo fôlego, que necessita dum plano estratégico a longo prazo e dum financiamento que dificilmente virá do governo do Canadá.

O desprestígio da língua

As línguas inuits som milenárias e gozam de oficialidade na Groenlándia, no Canadá e no Quebec, onde som cooficiais com o dinamarquês, o inglês e o francês respectivamente. Segundo o plano estratégico do ministério das Línguas do Nunavut (o território onde vive a maioria dos Inuits canadianos), o idioma próprio goza de forte presença, mas também está cada vez menos prestigiado. Segundo os inquéritos citados no plano, 70% da populaçom reconhece esta língua como a materna, embora na casa só seja a prioritária para 54% da populaçom, sendo o inglês cada vez uma língua mais reconhecida.

 

+ Mais informaçom: