Umha agência para as línguas europeias menorizadas no Friul

O governo friulano compromete-se a tornar realidade um projeto que se ocuparia de 35 idiomas nom plenamente reconhecidos da Europa · O executivo considera que o território, que conta com três línguas menorizadas - friulano, alemám e esloveno -, pode desempenhar um papel importante na promoçom da diversidade linguística

Sexta, 30 Novembro 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Nationalia - O facto de no Friul convergirem três grandes culturas da Europa central - a latina, a eslava e a germânica - está a dinamizar vários projetos que tentam reforçar o papel singular que o Friul poderia desempenhar na construçom dumha Europa unida na diversidade.

Paradoxalmente, as três grandes culturas estám representadas no Friul através de línguas menorizadas: tanto o friulano com o esloveno e o alemám nom gozam no Friul de plena oficialidade, carácter que só tem o italiano, que nom é língua autóctone do país. Um destes projetos que começa a tomar forma é o da criaçom dumha agência, de dimensom europeia, para as línguas menorizadas.

O governo autónomo, pola voz do seu ministro da Cultura, Elio de Anna, anunciou que se comprometeu a tornar realidade este projeto. Trata-se dumha auto-candidatura política do Friul que poderia tomar corpo graças aos financiamentos europeus, quer dizer, aos fundos estruturais 2014-2020 atribuídos ao governo do Friul-Veneza Júlia. Segundo os cálculos dos promotores, a agência deveria ocupar-se de 35 línguas menorizadas da Europa. Em paralelo, os mesmos promotores resolveram pedir à vizinha Eslovénia que crie outra agência, esta, no entanto, dedicada às 23 línguas de Estado oficiais na Uniom Europeia. Seriam duas agências complementares que se tornariam um ponto de referência cultural, significativo e atraente, pola sua localizaçom, no conjunto da Europa.

Enquanto os consensos sobre o projeto avançam, o governo do Friul-Veneza Júlia está a procurar os meios para a formar umha rede de alianças que seja sólida e largamente participativa. Depois de acabada já a etapa dos estudos sobre a viabilidade da auto-candidatura, umha equipa de especialistas dedica-se a precisar o papel estratégico que tem o território, as potencialidades, as fontes de financiamento, a individualizaçom dos possíveis colaboradores internos e externos, as estruturas de dimensom europeia de que necessita o mesmo projeto para se tornar numha realidade tangível.