O nacionalismo croata mobiliza-se contra a introduçom do alfabeto cirílico em Vukovar

20.000 pessoas manifestam-se para evitar que se faga uso oficial do sérvio e do seu abecedário na cidade croata · Um partido croata recolhe assinaturas para adiar dez anos a reforma · O primeiro-ministro da Croácia di que a introduçom oficial do sérvio terá lugar apesar dos protestos

Quinta, 07 Fevereiro 2013 10:17

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Na imagem: umha rua de Vukovar

Nationalia - Os meios de comunicaçom social croatas e sérbios estimam em 20.000 as pessoas que, no passado sábado, percorrêrom as ruas de Vukovar em protesto contra a introduçom do alfabeto cirílico nesta cidade da Eslavónia, no extremo oriental da Croácia. Sob o slogan "Nunca o cirílico em Vukovar", os manifestantes reclamárom que a cidade ficasse excluída das provisons das leis croatas sobre minorias.

Segundo estas leis, a língua-padrom sérvia e a sua escrita, a cirílica, devem usar-se oficialmente em Vukovar visto que os Sérvios constituem mais dum terço da populaçom(34,9%, exatamente). Mas o nacionalismo croata considera que aceitar isso seria umha traiçom às vítimas do cerco que a cidade sofreu polo exército jugoslavo em 1991. Os Croatas constituem a maioria étnica da cidade, com 57,37% da populaçom, e a sua língua-padrom e o alfabeto latino som aí os oficiais.

A associaçom de veteranos de guerra que preparou a manifestaçom de sábado em Vukovar quer organizar outra no próximo mês de abril na capital da Croácia, Zagreb, com o objetivo de mobilizar meio milhom de pessoas para pressionar o governo croata.

Paralelamente, o Partido Croata dos Direitos-Ante Starcevic (HSP-AS, polas siglas em croata) anunciou a recolha de 4.343 abaixo-assinados contra a introduçom do sérvio em Vukovar. O HSP-AS quer que o Parlamento da Croácia aprove umha moratória de dez anos na introduçom do bilingüismo na cidade.

Apesar destas movimentaçons, o primeiro-ministro croata, Zoran Milanovic, dixo há duas semanas que a introduçom oficial do sérvio e do alfabeto cirílico em Vukovar se fará na mesma.

Feridas de guerra ainda abertas

Os protestos deste fim de semana patenteiam bem que as feridas da guerra de 1991-1995 continuam abertas, polo menos para alguns sectores. Durante a guerra, a regiom de Vukovar estivo sob controlo sérvio, depois de cair em sua posse após um cerco de três meses por parte do exército jugoslavo. Integrada na República Sérvia de Krajina, permaneceu separada da Croácia até o ano 1998, em que foi a ela reintegrada.

A partir dessa altura, os municípios de maioria sérvia da regiom estám a coordenar-se através do Concelho Conjunto dos Municípios (ZVO, polas suas siglas em sérvio). Entre outras tarefas, o ZVO dedica-se a promover a língua e a cultura sérvias.

Na seqüência da ofensiva final do exército croata contra as forças sérvias em 1995, boa parte de a populaçom sérvia que vivia dentro das fronteiras atuais da Croácia fugiu. Imediatamente antes do conflito, havia 581.000 Sérvios na Croácia, 12% da populaçom; vinte anos depois, apenas som 186.000, 4,4%.


+ Mais informaçons:

Osservatorio Balcani e Caucaso: Il cirillico conteso