Dezenas de milhares de croatas, contra a oficialização do alfabeto cirílico em Vukovar

Uma manifestação do nacionalismo croata em Zagreb exige que a latina continue sendo a única escrita aceite na cidade · Os manifestantes recordam os sofrimentos de Vukovar durante a guerra de independência · Segundo as leis croatas, os sérvios da cidade têm direito a usar oficialmente o alfabet ciríico

Quinta, 11 Abril 2013 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Na imagem: uma rua de Vukovar

Nationalia - O episódio mais recente das desavenças entre o nacionalismo sérvio e o croata protagonizaram-no domingo passado dezenas de milhares de croatas (entre 20.000 e 60.000, segundo as fontes) que se manifestaram pelas ruas da capital croata, Zagreb.

A marcha tinha por objetivo protestar contra a decisão das autoridades de Vukovar de introduzir, nesta localidade, o uso oficial do alfabet cirílico (o usado para escrever o padrão linguístico sérvio) ao lado do alfabeto latino (empregado para o padrão croata) a partir do próximo junho. Os manifestantes recordavam a gritos que Vukovar tinha sido destruída pelos sérvios durante a guerra de independência de 1991 a 1995, e, a parecer seu, a concessão que permitia acentuar a presença dos sérvios, nem que fosse na escritura, era uma ofensa intolerável.

Os sérvios de Vukovar, embora sejam numericamente minoritários (34,9%), legalmente têm direito ao uso oficial do cirílico, visto que formam mais de um terço da população do município. Mas várias organizações nacionalistas croatas há meses que se mobilizam para o impedir. O passado fevereiro, cerca de 20.000 pessoas desfilaram pelas ruas de Vukovar para protestar contra a oficialização do cirílico.

Sentimento de marginação

O próximo julho, Croácia entrará a fazer parte da União Européia (UE). Em princípio tem todos os papéis em regra para ser aceite pelos outros estados membros. Pelo menos, há vozes entre a principal minoria, a sérvia (4,4% da população) que não se sentem bastante respeitadas. Ao menos, não no grau que prevêem os acordos que permitiram na Croácia de dar o passo para a UE. Alguns setores sérvios consideram que o Estado croata os maltratou e marginou para se vingar da guerra, conquanto também é certo que os sérvios têm o seu próprio Conselho Nacional Sérvio, os seus próprios partidos políticos e os seus próprios deputados no Parlamento croata.

As tensões entre ambas as comunidades tornam-se particularmente visíveis em determinados âmbitos. Por exemplo, na escola, e também em algumas manifestações desportivas em que croatas e sérvios se enfrentam.