Sete em cada dez famílias nas Ilhas Baleares escolhem o catalám para escolarizar os filhos

A língua das Ilhas ainda é escolhida por umha maioria clara, apesar dos esforços do governo do PP para castelhanizar a vida pública • Associaçons de professores dizem que só um sistema onde o catalám tenha umha posiçom dominante na escola pode garantir o pleno conhecimento do catalám e do castelhano

Segunda, 10 Junho 2013 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Nationalia - 70% dos alunos entre 3 e 8 anos terám o catalám como língua de ensino nas Ilhas Baleares, de acordo com dados publicados pola Conselleria da Educaçom. Os outros 30% terám o castelhano. Os números refletem as escolhas individuais dos pais dos alunos, um sistema que foi introduzido nas Ilhas em 2012-2013.

Existem diferenças significativas entre as ilhas. A escolha do catalám é de 74,5% em Maiorca, de 66,2% em Minorca, de 42,4% em Eivissa e de 61% Formentera.

Note-se, porém, que a escolha do castelhano está a avançar: no ano passado, esta língua só foi escolhida por 13% dos pais.

Assim, sete em cada dez famílias escolhérom o catalám, apesar dos esforços do governo das Baleares para inclinar a balança em favor do castelhano. O governo empenhou-se numha campanha de castelhanizaçom da vida pública das Ilhas. Por um lado, o executivo está agindo para evitar que o catalám mantenha um lugar hegemónico no sistema escolar das Baleares. Associaçons de professores das Baleares argumentam que somente um sistema onde o catalám seja a língua principal na escola pode atuar como um contrapeso à hegemonia social do castelhano e, portanto, é a única maneira de garantir que os alunos concluam a escolaridade sabendo as duas línguas oficiais.

Mas a posiçom do catalám na escola, ainda recebeu outro golpe depois de a Conselleria da Educaçom anunciar o início da implementaçom do programa de TIL, que busca um uso "equilibrado" de catalám, castelhano e inglês como línguas veiculares na escola. Este uso "equilibrado" vai, é claro, contra a posiçom do catalám como língua principal de ensino.

Os professores opostos ao plano dizem que o ensino através do inglês se fará de maneira improvisada. No seu dizer, o professorado nom está suficientemente preparado para ser capaz de ensinar matérias em inglês de forma eficaz.

Toda essa campanha para tirar importância ao catalám na sala de aula junta-se à recastelhanizaçom da toponímia ilhoa. Em 2011, a Câmara Municipal de Palma aprovou renomear oficialmente a cidade como "Palma de Mallorca", o seu nome castelhano. E este ano, a Câmara Municipal de Maó introduziu o nome "Maó-Mahón."