Polinésia pede à França o reconhecimento oficial das línguas das ilhas na Assembleia e no Governo

A Assembleia das ilhas do Pacífico pede uma emenda à Constituição francesa · A petição chega depois que o Conselho de Estado francês declarasse ilegais duas leis polinésias porque a sessão parlamentar tinha decorrido em taitiano

Segunda, 08 Julho 2013 10:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Bandeiras polinésies e francesas / Imagem de FRED

Nationalia - A Assembleia da Polinésia Francesa pediu a Paris que emende a Constituição francesa contanto que possa ser oficializado o uso de várias línguas polinésicas na sede do governo e do parlamento das ilhas. Sexta-feira, a Assembleia aprovou uma resolução com 46 votos favoráveis e 11 abstenções.

Todos os deputados autonomistas se mostraram partidários da resolução, enquanto que as abstenções foram todas de deputados independentistas, que consideram que o redigido é demasiado macio.

A Assembleia polinésia quer que a Assembleia Nacional francesa introduza uma emenda no artigo 74 da Constituição, pelo qual as coletividades de ultramar (territórios autónomos de França fora da Europa, dos quals a Polinésia é um deles) possam tomar decisões, de forma autónoma, em matéria de "património cultural e linguístico". Isto poderia abrir a porta a ampliar os âmbitos de uso oficial das línguas próprias da Polinésia (entre as quais o taitiano é a principal) em entes públicos como o Governo e a Assembleia das ilhas.

A resolução chega poucas semanas depois que o Conselho de Estado francês declarasse ilegais duas leis polinésias porque estas tinham sido aprovadas durante uma sessão em que se tinha usado o taitiano. O Conselho argumentou que a única língua oficial da República Francesa é o francês e que, ademais, o Estatuto da Polinésia só prevê o uso do taitiano em entes privados, entre indivíduos e na escola.

Até agora, o uso do taitiano tinha sido habitual na Assembleia destas ilhas do Pacífico, com um sistema de tradução simultânea para o francês disponível para aqueles deputados que não entendessem o idioma polinésico.

 

+ Mais informação: