Procuram-se professores de língua bretá para as escolas Diwan

O principal sindicato dos centros imersivos denuncia que nom há recursos para recrutar e pagar professores e critica a gestom da direçom · Dous centros tivérom de fechar no início deste curso · Entraves por parte da administraçom francesa

Sexta, 20 Setembro 2013 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL | Nationalia - As escolas Diwan, especializadas no ensino do bretom e em bretom, começam o novo curso com um défice notável de professores, segundo denunciou a CGT-SNEIP, o sindicato que tem mais aderentes entre o pessoal.

Através do seu porta-voz, Bertand Deléon, o sindicato diz que se trata dum défice originado por umha série de causas, entre as quais a crise económica que está a afetar o ensino em geral, com a conseqüente falta de recursos para pagar dignamente os professores dumhas escolas como as Diwan, consideradas pelo Estado de segunda categoria, o despedimento mais ou menos forçoso de muitos deles ao concluir o curso 2012-2013, e certas deficiências na direçom e na gestom destas mesmas escolas que dificultam contratar novos professores.

Perante esta situaçom o sindicato difundiu no dia 2 um comunicado à procura de "professores de substituiçom para o ano 2013-2014 em toda a Bretanha (5 departamentos) e em Paris [...]. A CGT-SNEIP defenderá as pessoas contactadas para que podam ter contratos decentes". O mesmo sindicato convida os assalariados dos centros escolares a unir-se para reorganizar a Diwan, "para fazerem ouvir o parecer e as necessidades dos profissionais".

A este comunicado acresce a notícia do encerramento de duas escolas Diwan, as de Pornizh (Pornic) e Saveneg (Savenay), precisamente porque nom se conseguiu encontrar professores capazes de dar as aulas em bretom. Facto que provocou mal-estar profundo entre os pais e as nais dos alunos.

Um projeto em expansom permanente

As escolas Diwan fôrom fundadas em 1976 pola militáncia em favor da língua bretá. A partir do primeiro centro - com cinco alunos em Lambaol-Gwitalmeze (Lampaul-Ploudalmézeau) -, Diwan tem-se indo expandindo polas terras bretás e Paris. Hoje conta com 41 escolas que vam desde a Pré-escolar até aos diversos níveis da Secundária. As inscriçons para o curso 2013-2014 sobem até cerca de 4.000, ou seja, mais de 40% do número de alunos que freqüentam o ensino bilingue nas escolas públicas e privadas (católicas).

As escolas Diwan continuam a ser associativas, livres e gratuitas. Tenhem o estatuto de serviço público, graças a um contrato com o Estado. Som subsidiadas polas coletividades locais e territoriais (concelhos, departamentos e regiom) e por doaçons provenientes de particulares.

Mas as críticas do sindicato CGT-SNEIP vam na mesma linha do que referem a este jornal fontes do próprio professorado da Diwan: a falta de recursos gerou um mal endémico que provoca que, por vezes, nom se consiga atingir o nível de qualidade no ensino que os professores desejariam para estes estabelecimentos.

Isso, no entanto, nom impediu que o liceu Diwan de Carhaix -segundo um estudo de Le Figaro - fosse o melhor de França em 2012, se considerados os resultados dos exames finais, antes do ingresso na universidade, de todas as escolas da República Francesa. Um reconhecimento que trava as críticas que os jacobinos franceses fam às escolas Diwan por serem "nacionalistas bretás", favoráveis a umha única norma unificada, e subordinadas à imersom linguística em bretom.

O sistema educativo francês dificulta o fortalecimento da Diwan

As carências de recursos e de boas condiçons para o ensino do bretom dependem também do sistema de educaçom que impera na República Francesa, que entrava continuamente a recuperaçom das chamadas línguas regionais. Facto que é, particularmente, constatável na Bretanha onde, apesar de tudo, o número de estudantes de e em língua bretá está a subir ano após ano.

Fontes da Diwan conhecedores da situaçom referem que, por outro lado, existe umha crise interna entre os diretivos das escolas Diwan. Um sector que já tem um peso considerável defende que se dê mais ênfase à necessidade de formar professores de e em língua bretá que estejam à altura das exigências pedagógica atuais no âmbito do ensino. Som ainda demasiado poucos os professores que tenham umha licença do Estado para o ensino bilingue. Em definitivo, este sector insiste em dizer que para a qualidade da escola nom basta que os mestres saibam a língua, mesmo que seja prescindindo dos títulos académicos superiores, como é o caso da maioria dos que ensinam nas escolas Diwan. Só com tais títulos, afirmam, é que a Diwan poderia tornar-se bastante atraente para aumentar o número de candidatos a exercer um ensino equiparável ao de as escolas públicas da República Francesa.

Até agora fracassárom as tentativas de equiparar as escolas Diwan às escolas de carácter público do Estado, com a vantagem que isso significa em termos de estabilidade, pelo facto de se entrar a fazer parte dos orçamentos gerais do governo central. Um dos problemas que invoca o Ministério da Educaçom para impedir este salto, é que a Diwan segue métodos que levam à imersom linguística, contrários às disposiçons legais existentes que consideram o francês como a única língua da República.

Os bons resultados da imersom linguística fam que alguns sectores da direçom das escolas Diwan prefiram seguir para a frente, apesar da impossibilidade de situá-las na categoria do ensino público. Outros sectores opinam que poderiam encontrar-se novas fórmulas de compromisso para ultrapassar um status que situa a Diwan num nível "inferior" em relaçom ao que tenhem as escolas dependentes do Ministério da Educaçom. Há que chegue para acender a polémica.
Entretanto, as escolas Diwan que forem fundando-se terám de sobreviver, durante cinco anos (de acordo com as leis vigentes), sem quaisquer subsídios das coletividades locais e territoriais. Umha condiçom insuportável, se nom fosse pola generosidade que demonstram muitos militantes particulares, hoje tocados, contudo, pola crise económica que afeta o conjunto da sociedade francesa. Umha outra crise que acresce à própria crise de crescimento.

Bretanha / Breizh

Dados gerais

Populaçom: 4.328.535 h. (2009)
Superfície:
34,034 km²
Instituiçons:
Conselho Regional da Bretanha e Conselho Geral do departamento do Loira Atlântico
Cidades importants:
Rennes, Nantes, Brest
Administraçom estatal:
França
Línguas territoriais: bretom, galó (língua d'oïl)
Língua oficial:
francès
Cultura religiosa:
1-cristãos católicos
Data da festa nacional
: Gouel Erwan (Saint Yves), 19 de maio