Grande acolhida na Corunha do documentário «O sinhor Afrânio» de Víctor Coyote

O filme foi galardoado na última ediçom dos Mestre Mateu

Sexta, 28 Agosto 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Luís Tosar foi o encarregado de representar o politico galego nalgumhas cenas do filme

PGL - O primeiro andar da Casa Museu Casares Quiroga da Corunha quedou pequeno durante a projecçom do documentário O Sinhor Afrânio, dirigido por Víctor ‘Coyote’ e ambientado na vida do político galeguista e activista agrário António Alonso Ríos.

Num acto dedicado à recuperaçom da memória histórica, o percurso vital de António Hipólito Alonso Ríos foi recordado ontem na cidade da Corunha da mao da última criaçom do polifacético Víctor ‘Coyote’ Aparicio quem, a seguir à reproduçom do documentário, conversou com os assistentes a respeito da figura do político galego e da elaboraçom do filme.

O filme, apresentado pola primeira vez nas III Jornadas sobre a Repressom Antifranquista do Baixo Minho: Memoria e Naçom, foi galardoado na última gala dos Prémios Mestre Mateu.

Algumhas das passagens do documentário fôrom filmadas em lugares polos que passou o António Alonso Rios, tal que Tominho, Tui ou Oia. Oferecemos a seguir um mapa do Roteiro do Afrânio:

 

 

De forma paralela, a Casa Museu Casares Quiroga, sita na rua Padeiras da Corunha, acolhe a exposiçom Antón Alonso Ríos, o siñor Afránio, disponível para o público até o dia 31 de agosto.

A exposiçom, comissariada polo historiador e biógrafo Bieito Alonso, consta de 37 painéis divididos em 3 fases vitais de Alonso Rios:

 

- 1887-1936:  O nascimento na Cortegada, Silheda.  Mocidade, emigraçom e regresso com a instauraçom da IIª República. Actuaçom como activista agrário e político galeguista.

- 1936-1939. O Sinhor Afrânio. As peripécias de fugido e esmoleiro 'Sinhor Afrânio' polos Montes das de Ponte Vedra e Ourense até passar a Portugal e ao exílio na Argentina.

- 1939-1980. Exílio definitivo na Argentina, onde chegará a ser secretário-geral do Conselho de Galiza, legitimo governo galego, e o último dos patriarcas do nacionalismo histórico em desaparecer.

 

+ Ligaçons relacionadas: