O Cineclube de Compostela começa nova temporada

Para a primeira sessom desta temporada, o Cineclube volve às origens para programar um dos seus directores de culto, Aki Kaurismäki

Terça, 06 Outubro 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O lugar das projecçons será no Centro Social O Pichel (Santa Clara, 21).

Cineclube – O Cineclube de Compostela volve na quarta feira, dia 7 de outubro à programaçom regular após o descanso do verao com um outubro variado em propostas cinematográficas que serve para encetar a temporada 2009-2010.

No mes de outubro, poderemos ver os filmes Crime e castigo de Aki Kaurismäki (quarta feira dia 7 de outubro), Recordações da casa amarela de João César Monteiro (quarta feira dia 14), Daguerrotipos de Agnès Varda (quarta feira dia 21) e A pirámide humana, de Jean Rouch (quarta feira dia 28). Como novidade para esta temporada, o Cineclube adianta meia hora o seu horário habitual, com o que os filmes se projectarám nas quartas feiras às 21h30. O lugar das projecçons será no Centro Social O Pichel (Santa Clara n.º 21, Compostela).

Para a primeira sessom desta temporada, o Cineclube volve às origens para programar um dos seus directores de culto, Aki Kaurismäki. O filme seleccionado para abrir a nova temporada na quinta feira dia 7 de outubro é Crime e castigo (Rikos ja rangaistus, Aki Kaurismäki, Finlandia, 1983), a primeira longa-metragem do director finlandês. Nesta adaptaçom da novela homónima de Dostoievski ambientada num Helsinki frio, cinzento e opressivo estám presentes já as constantes do estilo de Kaurismäki, especialmente umha realizaçom sóbria e um desprezo por todo o que poda haver de gratuito na posta em cena.

Como Kaurismäki, o director da segunda sessom deste mês também se definiu como alcoólico e comunista. Trata-se do português João César Monteiro, de quem poderemos ver, na quinta feira dia 14 de outubro, Recordações da casa amarela (Portugal, 1989), o filme com o qual inicia a trilogia da sua particular personagem João de Deus, que retomará n'A Comédia de Deus (1995) e As Bodas de Deus (1999). Anti-herói de um filme que nom chega nunca a ser completamente umha comédia, João de Deus sintetiza numha só personagem toda a mordacidade de Monteiro, e instaura no seu cinema umha espécie de ontologia da subversom: é preciso renegar sistematicamente dos bons costumes, a família, a fé, o país, a propriedade, o trabalho, tudo.

Na quinta feira dia 21 de outubro contaremos com Margarita Ledo para apresentar o filme de Agnès Varda Daguerrotipos (Daguerréotypes, França, 1976), inaugurando umha série de apresentaçons de pessoas externas ao Cineclube com a qual pretendemos dar nesta nova temporada mais um novo valor às sessons. Neste documentário, Varda roda os tendeiros da sua rua (a rua Daguerre, no 14º distrito de Paris), numha sentida homenagem ao quotidiano sem artifícios. Depois de quatro anos afastada do cinema por diversos motivos, a cineasta volve pegar na cámara para registar a vida do seu bairro, no que todo parece ir muito devagar, de maneira que cada cena tomada colhe a forma de um daguerreótipo, ainda que vibrante pola vida que aparece por trás das esquinas.

Fecho com Rouch

E fechamos o mês cum outro documentário, A pirámide humana (La pyramide humaine, França, 1961), de Jean Rouch, na quarta feira 28 de outubro. A través dos estudantes do Instituto Francês de Abidjan, Rouch propom investigar a realidade das relaçons entre os jovens africanos e europeus na Costa do Marfim. O filme é formulado daquela como umha investigaçom antropológica em construçom, ao serem os próprios rapaces os de decidir os objectivos e vieiros polos que decorrerá a fita, apenas sobre a base dalgumhas premissas dadas polo director. Assim, o documentário progressa na sua própria inércia, provocando um duplo processo de reflexom: perante os espectadores que vem hoje o filme e perante os seus próprios protagonistas, que discutem sobre cada cena.

Atençom aos horários: Todas as sessons começarám as quartas feiras às 21h30. Os filmes vam ser projectados na sua versom original, com legendas quando forem necessárias, primando em qualquer caso a língua galega. A entrada é de graça, podendo adquirir um cartom de ajuda para colaborar economicamente com o Cineclube. Ainda, os sócios poderám dispor dos fundos do Cineclube antes das projecçons, nas quintas feiras de 20:30 a 21:30.

 

PROGRAMAÇOM DE OUTUBRO

Quinta feira dia 7, às 21.30 horas:
Crime e castigo
(Rikos ja rangaistus, Aki Kaurismäki, Finlândia, 1983, VOSG, 89')

Quinta feira dia 14, às 21.30 horas:
Recordações da casa amarela
(João César Monteiro, Portugal, 1989, VOSP, 122')

Quinta feira dia 21, às 21.30 horas:
Daguerrotipos
(Daguerréotypes, Agnès Varda, França, 1976, VOSG, 80')
Sessom apresentada por Margarita Ledo Andión.

Quinta feira dia 28, às 21.30 horas:
A pirámide humana
(La pyramide humaine, Jean Rouch, Francia, 1961, VOSE, 90')