Francisco Ayala e o reintegracionismo galego

«O conflito lingüístico galego tampouco lhe foi alheio a Ayala»

Quarta, 18 Novembro 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Guerra da Cal com Francisco Ayala. Nova Iorque. 1993 (Foto: Carlos Reis)

Carlos Calvo Varela - O passado 3 de novembro faleceu Francisco Ayala García-Duarte, escritor espanhol nado em Granada. Foi o último representante da geração do 27. Nesta brevíssima nota só queremos recordar o que da vida de Ayala atinge à Galiza.

A sua implicação na geração do 27 liga-o com o mais grande inteletual galego do século XX: Ernesto Guerra da Cal. Para F. Alberto Pombo o galego Guerra da Cal foi «peça chave na Geração do 27», aliás de «o amigo mais íntimo de Lorca». Não obstante, é provável que sem ele os Seis poemas galegos do espanhol não existissem, para além de muitos críticos terem demonstrado as semelhanças no estilo poético dos dous. A amizade de Ayala com Guerra da Cal foi duradoura, como podemos comprovar nesta fotografia de 1993 em Nova Iorque.

O conflito lingüístico galego tampouco lhe foi alheio a Ayala. Valha como mostra este trecho que temos que citar, lamentavelmente, de segunda mão:

"Sospecho que a algunos de los cultores de la noble literatura gallega les resulta intolerable, por razones de nacionalismo político, la idea de que ella forma parte de la lengua portuguesa, de manera análoga a lo que estamos viendo que ocurre en la región valenciana, donde muchos se resisten a acepta que su particular idioma pertenece al área lingüística del catalán. Es innegable que la razón política prevalece ahí sobre las realidades histórico-culturales."

Citado em: Fernández Velho, P. 1986. “Língua e identidade nacional”. In: Actas do I Congresso Internacional da Língua Galego-Portuguesa na Galiza (1984), AGAL, Corunha, (31-44). p.44

Quem sabe se Guerra da Cal teria algo a ver com estes pensamentos nos que, matizando e especificando melhor termos como “nacionalismo”, não podemos senão estar totalmente de acordo.


+ Ligaçons relacionadas: