Mamá, quero ver televisom

«Neste momento podemos desbotar para o galego a TDT e a televisiom à carta através de Internet»

Segunda, 10 Maio 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Ermitas Valencia é concelheira na Corunha

Ermitas Valencia (*) - Os nenos e nenas dentre 4 e 12 anos som grandes consumidores/as de televisom. Um estudo recente conclui que, face às 960 horas que os nenos e nenas passam na escola, 990 horas botam-nas diante do televisor. Estas 990 horas nom incluem o consumo que corresponde aos videojogos e ao computador.

A televisom, que muitos já a tenhem em chamar a «aia electrónica», polo seu labor de entreter os pequenos, diante da falta de tempo de pais e maes, poucas vezes oferece programaçom de qualidade e menos ainda adaptada às idades dos pequenos. Frente à televisom em aberto, muitos/as recorrem aos canais temáticos de pagamento, com umha programaçom contínua, adaptada a cada faixa etária. A estes canais acede ainda umha percentagem pequena da populaçom galega mas, como veremos, o galego fica em todos os casos excluído.

A apariçom da TDT podia ter representado umha oportunidade para o galego, permitindo aumentar a programaçom de qualidade, assim como a programaçom infantil na nossa língua. Longe disto, o novo sistema de televisom converteu-se numha nova ferramenta de espanholizaçom, sobretodo da infáncia.

Quando em 1984 umha lei do Parlamento galego criava a CRTVG, umha das missons que se lhe encomendavam como serviço público era a da promoçom, difusom e impulso da língua galega.

A TVG oferece muitíssimas menos horas de programaçom infantil hoje que há 20 anos, mas agora a oferta em espanhol multiplicou-se por 15.

A TDT permite que a cada lar galego cheguem uns 25 canais em aberto, dos quais 2 som infantis. À oferta para nenos e nenas cumpre engadir a programaçom dos canais generalistas como a TVE, Antena 3, Tele 5, etc.

Se analisarmos a programaçom de qualquer um dos dias do fim-de-semana, que é quando os rapazes vem mais televisom, atopamo-nos com que só a TVE, Antena 3 ou Tele 5 oferecem 5 horas de programaçom infantil cada umha, por 2 horas da TVG 2. À oferta em espanhol teríamos que acrescentar outros canais que também tenhem programaçom infantil, como FDF, A3 Neox, ademais dos canais infantis Clan TV e Disney Channel.

Ante o evidente desleixo da CRTVG na sua funçom de oferecer umha programaçom de qualidade e atractiva para cativos e cativas, temos que engadir o esperpento do seu site. Mentres que outros canais públicos, como a TVE ou a TVC, tenhem espaços nos seus sites dedicados aos mais pequenos, com jogos educativos ou o acesso da televisom à carta, no site da CRTVG, no seu espaço de televisom à carta, nom existe a programaçom infantil.

O canal público espanhol possui umha grande variedade de programaçom infantil à carta, através do site do seu canal temático Clan TV. Este permite visualizar as séries da moda entre os/as nenos/as em qualquer momento ou oferecer recursos didácticos, protagonizados polas personagens das séries. O mesmo ocorre com a ediçom web do canal temático da televisom catalá Super3.

Neste momento, portanto, podemos desbotar para o galego a TDT e a televisom à carta através da Internet.

Se repararmos na oferta que existe à venda, em formato DVD, dos 44 títulos existentes em galego, mais de 50% som títulos das séries Doraemon e Shin Chan.

Mas a contundente realidade diz-nos que, aos nenos e nenas galegos/as tanto lhes tem a via de comunicaçom ou o formato, eles e elas o que querem ver é Pocoyó, Bob Esponja, A Casa de Mickey Mouse, Little Einstein ou Os Gormiti. Umha geraçom de crianças que vivem maioritariamente em contornos urbanos e castelhano-falantes que, com um bocadinho, terám contacto com o nosso idioma unicamente na escola.

Diante disto, só nos resta reclamar aos responsáveis da CRTVG, respeito à nossa infáncia, que som o futuro deste país, oferecendo através da TVG umha programaçom em galego, mas também de qualidade.

Mas, como do PP só se podem esperar retrocessos a respeito do nosso idioma, e dada a situaçom tam complicada para o galego, cumpre o esforço pessoal de pais e maes na hora de oferecer aos nenos e nenas recursos em galego.

Se por umha vez nos podemos beneficiar da uniformizaçom da globalizaçom é neste caso. Todas as séries da moda, que enchem os quiosques e ilustram desde cromos a larpeiradas, estám dobradas para o português.

A maioria dos DVD d'A Casa de Mickey Mouse, Little Einstein ou Gormiti permitem escolher o idioma português. Só temos que reparar na letra pequena quando os comprarmos. Outras séries para os/as nenos/as mais pequenos como Pocoyó, Noddy, Bob o construtor ou Caillou[1], mui populares na lusofonia, som de mui fácil acesso se contades com ligaçom à internet.

Ainda, muitas produtoras contam com filmes dobrados para o galego, que já fôrom emitidos pola TVG mas nom fôrom comercializados com a dobragem em galego. Dos concelhos podem-se organizar ciclos de cinema infantil em galego com este tipo de filmes. Nom som de umha grande qualidade artística em muitos casos, mas sim permitem ter umha programaçom estável em galego por pouco custo. 14 pélis para os peques [http://snlacorunha.blogaliza.org/2010/01/13/14-pelis-para-os-peques/] vai caminho da sua terceira ediçom, com grande êxito de público.

Também a Agência Audiovisual Galega oferece, através do Cinema Digital, propostas interessantes para público infantil, composto maioritariamente por curtas de muitíssima qualidade, que podem ser projectadas por qualquer asociaçom que estiver interessada, sem problema nengum.

Devemos aproveitar todos os recursos possíveis. As novas tecnologias facilitam-nos a relaçom com a lusofonia e assim podermos oferecer umha proposta audiovisual variada e de qualidade às crianças.

 


(*) Este artigo foi publicado originalmente na revista digital Terra e Tempo. Foi adaptado à normativa reintegracionista e reproduzido no Portal Galego da Língua com permissom da autora. Ermitas Valencia é concelheira de Mocidade, Solidaridade e Normalizaçom do Concelho da Corunha.

[1] O personagem é conhecido como Ruca em Portugal.