A CRTVG contribui para a castelhanizaçom dos topónimos estremeiros

Ao mesmo tempo, adaptam-se topónimos nom galegos como *Guadalaxara ou *Xaén

Segunda, 21 Junho 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Maria Espantoso - O passado dia 11, as importantes inundações e a  morte de um casal  polas cheias na aldeia de Veiga del Vilar (oficialmente Veiga de Vilar), colocárom o concelho da Veiga de Riba d'Eu (oficialmente A Veiga) no centro da atençom dos meios de comunicaçom.

Também os informativos da TVG e da Rádio Galega dérom conta da trágica notícia mas, salvo a jornalista de delegaçom marinhá da televisom, utilizando os topónimos deturpados Vega de Villar e Vegadeo.

Apesar de a direçom de informativos ter sido advertida do erro, os jornalistas continuárom a usar os topónimos em castelhano. Nos últimos dias este tipo de deturpações também acontecêrom com a toponímia berciana em informações referentes às obras da alta velocidade.

Indicador no concelho da Veiga | Foto: Xián Nieto

 

Indicador no lugar de Veiga del Vilar | Foto: Xián Nieto

Isto acontece, aliás, num contexto em que no caso concreto das Astúrias o governo local (do PSOE) tem a língua galega (oficialmente, gallego-asturiano) sob a sua tutelagem, impondo-lhe umha ortografia asturianizante ou castelhanizante; e na seqüência de apagamento constante de qualquer referência à Galiza em território asturiano. Exemplo disto é o uso sistemático do hidrónimo Ría el Eo em lugar do correto Ria de Riba d'Eu (Ría de Ribadeo em galego-castelhano), usos que há tempo que já chegárom aos meios públicos galegos.

Regressando à CRTVG, as deturpações de topónimos galegos ou, como se tem dito ao PGL, o recurso aos «topónimos oficiais da regiom», nom tem justificaçom possível. De um lado, porque as formas em galego (gallego-asturiano) também som oficiais. Do outro, porque isto acontece ao mesmo tempo que se adaptam à nossa língua topónimos nom galegos, como *Almendralexo (na Estremadura espanhola), *Xaén (na Andaluzia) ou *Guadalaxara (em Castela-a-Mancha).

Aliás, e por se houvesse dúvidas acerca da natureza das falas eu-naviegas, eis o texto publicado na recentemente remodelada página web institucional da Junta da Galiza:

Galicia ten máis de 2.800.000 habitantes. O territorio xeográfico da lingua galega está delimitada pola Comunidade Autónoma galega e as áreas máis occidentais de Asturias, León e Zamora, ademais de tres pequenos lugares de Extremadura. A distribución do galego é xeograficamente homoxénea, sen que existan áreas territoriais nas que non se constate o seu uso.

Quem sabe... se calhar o erro dos profissionais da CRTVG pode ter a ver com umha agenda corporativa, editada há um tempo por Xerais, e em cuja parte final aparece o seguinte mapa:

Imagem da agenda com um dos mapas despregados
[prima aqui para alargar a imagem]