O caso galego, um modelo de crioulização?

Disponibilizamos comunicação de Alexandre Banhos aos 7º Colóquios da Lusofonia

Domingo, 19 Outubro 2008 21:15

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Alexandre Banhos, presidente da AGAL

PGL Portugal - Os passado Colóquios da Lusofonia em Bragança estiveram voltados para o estudo dos crioulos e a sua «relação biunívoca» com a língua portuguesa. Alexandre Banhos redigiu para a ocasião uma breve comunicação que tenta deitar algo de luz nesse aspeto e encorajar ao estudo dos crioulos como o que são: verdadeiras línguas devidas ao gênio humano.

A comunicação – inédita devido a que finalmente não pôde ser apresentada no evento, está subordinada ao título «Caracterização de crioulos. O caso galego, um modelo de crioulização?», concebida sem preconceitos acientíficos  e com a tentativa de mostrar, sinteticamente, o que os modernos estudos linguisticos têm provado.

Com certeza, som muitos os crioulos com base na nossa língua, o qual fez pensar a muitos estudiosos que existia alguma característica especial na mesma que a levava a gerar crioulos.

Igualmente, muitas vezes esses estudos reflectiam um pensamento racista que considerava, paternalisticamente, os crioulos como resultado da incapacidade duns ‘analfabetos’ para usarem bem a língua portuguesa.

Embora o caso do galego, ou seja, das falas portuguesas da Galiza, em denominação internacional, nada tenha a ver com os crioulos, sim é certo a existência nele de aspetos que, tangencialmente, podem muito bem ser esclarecidos por estes.

 

Documento em PDF: