Vivermos em galego

«Apoiar o tecido do software livre galego permitiria  dar um pulo a um sector TIC próprio e pujante que geraria ainda mais recursos e empregos»

Sexta, 25 Fevereiro 2011 09:14

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Trasno.net - Ante a iminente apresentaçom do programa «Vive em galego» da Secretaria Geral de Politica Lingüística com Microsoft, a Comunidade de Software Livre Galega quer-lhe achegar à cidadania o seguinte comunicado para a sua redifusom.

Da comunidade de software livre galega queremos expressar as nossas inquietações e o mal-estar que nos produz a reediçom dos acordos entre o governo galego, através da Secretaria Geral de Política Lingüística da Conselharia da Educaçom e a Ordenaçom Universitária, e a empresa Microsoft. A SGPL dispõe-se a anunciar a disponibilidade dos produtos privativos desta empresa na nossa língua galega e fá-lo por meio de uma campanha que deu em chamar «Vive em galego».

Longe de nos alegrar a nova, preocupa-nos que de novo um organismo público poda estar a favorecer umha empresa que reiteradamente foi condenada pola Uniom Europeia  por abuso da sua posiçom dominante no setor e que tem uns ingressos netos anuais da ordem de milhares de milhões de euros. Desconhecemos os detalhes económicos da colaboraçom entre a SGPL e Microsoft mas suspeitamos de que existe um apoio financeiro ou umha contrapartida que beneficia dita empresa. Por isso demandamos que se fagam totalmente públicos os acordos atingidos entre as duas partes para que cada contribuinte galego saiba em que medida os seus impostos vam destinados a favorecer a Microsoft.

Estamos convencidos de que os dous milhões e meio de galegos som um motivo suficiente para que umha empresa com os benefícios netos de Microsoft financie autonomamente a localizaçom dos seus produtos em galego sem precisarem de apoio institucional nenhum. Seria verdadeiramente lamentável conhecer que se esbanjam fundos públicos neste tipo de colaborações.

Se os houver, esses recursos públicos iriam melhor empregados na promoçom do setor do software livre galego, que já fornece desde há mais de dez anos produtos de alta qualidade totalmente galeguizados. Apoiar o tecido do software livre galego permitiria  dar um pulo a um sector TIC próprio e pujante que geraria ainda mais recursos e empregos na nossa comunidade do que já o fai atualmente. Mas longe disto o governo ignora o seu discurso de austeridade e parece disposto a favorecer grandes empresas estrangeiras que nom só deixam benefícios fora do nosso território, senom que se opõem frontalmente ao software livre, violam os princípios de livre competitividade e negam a adaptaçom aos padrões internacionais dos formatos.

Na comunidade galega de software livre fomos quem, com o muito escasso apoio institucional prestado durante todos estes anos, de conseguir verdadeiros fitos graças ao esforço individual de cada voluntário que altruista e anonimamente prestárom e prestam o seu tempo e dedicaçom ao desenvolvimento, galeguizaçom e difusom de software livre. Graças a este esforço coletivo, hoje cada galega e galego tem à sua disposiçom soluções informáticas completas e de qualidade na sua língua, com a segurança de que as podem obter libremente sem restrições de nenhum tipo. Nós já vivemos em galego também as novas tecnologias.

Assinam:

  • A.C. para a Galeguización de Software Libre Proxecto Trasno
  • Asociación de Usuarios de Software Libre da Terra de Melide (Melisa)
  • Asociación de Usuarios de GNU/Linux «Inestable.org»
  • Asociación Comunidade O Zulo
  • Grupo Asociado pola Libre Información e a Tecnoloxía (Galite)
  • Asociación de Usuarios GNIX (AGNIX)
  • Grupo de Amigos de Linux de Pontevedra (GALPon)