Livros eletrónicos

Graças à Internet e aos ebooks, as fronteiras físicas que nos separavam da comunidade literária lusófona, já nom existem

Quarta, 08 Fevereiro 2012 08:35

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Frederico García González - Há um ano é tal, quando saírom os ebooks ao mercado, fum ver de que se tratava: um ecrám de tinta eletrónica para mostrar texto, e a capacidade para armazenar centos de livros; de um ponto de vista tecnológico pareceu-me interessante o invento.

O facto de ver texto num ecrám igual que num papel é um avance e soa bem, mas fiquei coa ideia de que é mais bonito ter um livro de papel, passar páginas cos dedos, e olhar que cada livro no seu formato é diferente ao anterior; daquela nom caíra na conta da sua grande vantagem para os galegos.

Passou o tempo, e eu continuava, como sempre, a procurar a maioria das minhas leituras nas bibliotecas públicas, até que perdido entre pensamentos diversos, juntárom-se-me na cabeça duas ideias que ainda nom me ocorrera reunir: a primeira, que com tanto encerramento de jornais digitais em galego, nom nos fica mais alternativa que recorrer aos jornais portugueses se é que queremos ler as novas no nosso idioma; e a segunda, que gostaria de ler Guerra e Paz de Leon Tolstói, mas andar cum livro de 1.400 páginas em transporte público ia ser umha chatice, enquanto que num ebook, o problema de ler um livro tam volumoso desaparecia por completo. Naquele momento foi quando caim na conta de que, tendo um livro eletrónico, nom só poderia ler livros de qualquer número de páginas, como também os poderia ler em português. Naquele instante, fiquei maravilhado, intuía que estava a um passo de entrar numha enorme biblioteca, ateigada de livros, e o que é mais importante, livros no meu idioma.

Esse mesmo dia lancei-me à Internet para confirmar a minha ideia. Num princípio procurei Guerra e Paz. Nom foi como meter o título no Google e achar o resultado que queres ao instante: tivem que navegar em varias páginas, mas afinal achei-no em formato PDF, e sabendo já como procurar, achei também A Morte de Ivan Ilitch e Ana Karenina. Depois procurei novidades, e isto sim que foi muito mais doado. De seguido achei páginas brasileiras e portuguesas onde vendiam esses mesmos livros que enchem as livrarias do pais, mas que unicamente estám em espanhol. Já tinha pois a confirmaçom. Só dous pequenos senons: nota-se que o livro eletrónico, por agora, nom está tam estendido na comunidade lusófona como o está na comunidade hispano-falante. No entanto, o volume de livros em português é grande, e no futuro será enorme.

Realmente é maravilhoso cair na conta de que graças à Internet e aos ebooks, as fronteiras físicas que nos separavam da comunidade literária lusófona, já nom existem, nom importa do lugar desde o qual nos ligarmos pois, também neste caso, na Internet somos mais um, o que significa que temos ao nosso alcance livros de todo o tipo, que enchem todos aqueles nichos literários que a produçom dum pais monolíngüe pode atingir, tal como se o galego fosse o único idioma da Galiza, e como se a nossa populaçom fosse de 300 milhons de habitantes. Deste modo, na rede podemos encontrar livros técnicos, de auto-ajuda, de receitas culinárias, de ciência, dicionários, etc, todo aquele tipo de livro que poda interessar ao leitor e poda ser editado e posto à venda numha livraria, sem esquecer livros auto-editados, e livros e trabalhos com licenças copy left e semelhantes.

Concluirei dizendo que às vantagens que oferecem os ebooks para os galegos som as mesmas que para qualquer outra pessoa: mobilidade, capacidade de armazenamento, visualizaçom com distintos tamanhos e formatos de letra, capacidade para fazer apontamentos sem limite e sem estragar um livro de papel, etc., mas há umha vantagem fundamental: dispondo do galego, já nom estamos cingidos a entrar numha biblioteca pública e achar que os livros disponíveis nom estám no nosso idioma em 90%, ou que na maioria das livrarias observamos percentagens similares, agora podemos achar na rede umha ampla variedade de livros de balde e livros para mercar.

Unhas últimas aclaraçons:

  1. Os livros em formato PDF ou em quase qualquer formato, podem ser convertidos a formato EPUB com diversas ferramentas informáticas de balde.
  2. O formato EPUB permite ao ebook moldar os textos para os poder mostrar no ecrám independentemente do seu tamanho e da fonte da letra.
  3. Para descarregar livros de balde pode-se recorrer ao portal Domínio Público do Ministério da Educação do Brasil, ou ao foro do PDL (Projeto Democratização da Leitura).