Homenagear Carvalho Calero: Infraçom grave para o Partido Popular

Fundaçom Artábria vai realizar umha campanha solidária para afrontar coletivamente a multa económica imposta, no caso de nom progressar o recurso que apresentarám os nossos serviços jurídicos

Segunda, 28 Maio 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Fundaçom Artábria - Como cada mês de março desde há mais de 15 anos, a Fundaçom Artábria voltou a lembrar a figura de um dos grandes da história de Ferrol e da Galiza: Ricardo Carvalho Calero. Intelectual, defensor da língua, sociolingüista, filólogo e estudioso da nossa literatura, injustamente esquecido polas instituiçons públicas galegas atuais.

A homenagem que junto a várias dúzias de vizinhos e vizinhas de Ferrol realizamos este ano na rua Sam Francisco, em frente da casa onde Carvalho Calero nasceu em 1910, viu-se interrompida por elementos da Polícia Municipal que, com maus modos e com algumhas ameaças, tentárom impedir que a concentraçom anual, a qual nunca tinha sido comunicada à Subdelegaçom de Governo e só algumha vez ao Concelho, se realizasse.

Naturalmente, o ato poético e de lembrança de Carvalho Calero realizou-se sem nengum tipo de incidente, alteraçom ou moléstia para a vizinhança do bairro de Ferrol Velho, entre poesia, flores, música de gaita e reivindicaçom da nossa língua, o galego.

Agora, dous meses depois do incidente, as duas pessoas associadas da Fundaçom Artábria que mostrárom os seus Bilhetes de Identidade aos agentes naquela tarde acabam de receber notificaçons por parte da Subdelegaçom do Governo espanhol, a partir das denúncias apresentadas pola Polícia Municipal, da apertura dum processo sancionador no valor de 310€, por umha suposta 'Infraçom Grave' (sic).

O documento, escrito exclusivamente em espanhol, inclui mentiras como a afirmaçom de que as pessoas participantes no ato se “abalanzaron” (sic) sobre os agentes, ou que os polícias advertírom de que se tratava de umha “reuniom ilegal”.

Nada disso aconteceu. Unicamente fomos surpreendidos e surpreendidas pola ameaçadora presença policial e por termos que realizar a nossa tradicional homenagem a Carvalho Calero rodeados, como se nós representássemos qualquer ameaça. Sabemos também que a iniciativa repressiva partiu de elementos à paisana da polícia espanhola presentes na zona, que reclamárom a intervençom da Polícia Municipal diante do desenvolvimento do que uns e outras consideram, segundo figura no texto da multa, “umha infraçom grave”.

Da Fundaçom Artábria, queremos manifestar diante da vizinhança de Ferrol a preocupaçom com a linha repressiva que o novo governo do nosso concelho está a imprimir à força policial municipal, que neste caso se manifestou na perseguiçom de eventos culturais como a tradicional homenagem protagonizada pola nossa entidade, mas que nos últimos meses incluiu já agressons a trabalhadores e membros de piquetes participantes em mobilizaçons perfeitamente legais.

Parece-nos que este novo episódio repressivo merece umha resposta social em forma de solidariedade com os dous companheiros multados e de reivindicaçom dos direitos fundamentais, incluído o direito à nossa língua. Nom vamos ficar em silêncio perante uns factos que consideramos graves.

De acordo com as anteriores consideraçons, a Fundaçom Artábria vai realizar umha campanha solidária para afrontar coletivamente a multa económica imposta, no caso de nom progressar o recurso que apresentarám os nossos serviços jurídicos, mas que sirva também para denunciar a perseguiçom da atividade cultural.

A campanha também deverá servir para reivindicar o cumprimento da norma de que o nosso concelho se dotou há já 15 anos em matéria de língua, e que continua sem ser cumprida pola instituiçom municipal: a Ordenança Municipal de Normalizaçom Lingüística do Concelho de Ferrol.

Nos próximos dias, esperamos poder apresentar a referida campanha, apelando desde já à participaçom da vizinhança ferrolana contra a perseguiçom da atividade cultural e em defesa do uso normal da nossa língua por parte da instituiçom municipal.