Matrícula no Ensino Infantil

Associaçom Cultural Almuinha de Marim fai um chamamento para os pais e as mães optarem polo galego no ensino para as suas crianças

Quarta, 20 Junho 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

A.C. Almuinha - Nestes dias dará começo o praço de matrícula no Ensino Infantil na Galiza, e no momento da sua formalizaçom, o Centro Escolar, por mandato da Consellería de Educación, entregará aos pais e às nais umha enquisa em relaçom com o uso do galego, que determinará a lingua que será empregada nas aulas com os/as cativos/as, ainda que esta informaçom é ocultada de jeito intencionado.

A familia e a escola som as 2 instituiçons mais importantes na educaçom dos/as nossos/as filhos/as e pra transmisom da nossa lingua, que está numha situaçom límite na nossa vila. Esta afirmaçom basease na realidade que podemos observar nas aulas e nos parques da nossa vila, onde nom resulta moi difícil corroborar esta afirmaçom, lugares nos que podemos comprobar como a porcentagem de nen@s galegofalantes é practicamente do 0%. Se @s nen@s nom usam o galego, quem o vai falar no futuro? É este o futuro que queremos para a nossa lingua?

Se bem a o ámbito familiar é moi importante para o futuro da lingua, a escola nom o é menos, já que é nela onde os/as nenos/as passam umha boa parte da sua vida, onde se relacionam com outros rapaces/zas, e é bem conhecido que a escola foi um factor fundamental na desgaleguizaçom do nosso pais. Ainda que no ámbito familiar se empregue o galego, @s noss@s filh@s cambiam ao castelám na escola.

Escolher o galego nesta enquisa é apostar por el e garantir o seu futuro. Hai poucas semanas vivimos um novo Dia das Letras Galegas, onde a práctica totalidade d@s galeg@s manifestamos o orgulho de ter umha lingua própria e os nossos desejos de que tenha futuro. Mas a lingua, ao igual que qualquer outra cousa, nom se defende com palavras, senom com factos, com umha actitude comprometida, consequente e coherente. De pouco vale dizer que queremos moito o galego se logo nom fazemos nada na nossa vida cotiá por el, se nom o usamos e o mantemos afastado da nossa vida, ao igual que de pouco serve dizer que queremos um medio ambiente limpo e logo botamos o lixo no monte.

Este é um momento no que os pais e as nais podem amosar a sua implicaçom com a lingua, apostando por ela, e garantindo que tenha futuro. Por isso, fazemos um chamamento aos pais e às nais para que na enquisa que lhe será entregada polo seu Centro Escolar seleccionem o galego no momento de formalizar a matrícula do Ensino Infantil, já que este é o único jeito de garantir umhas competências mínimas na lingua do nosso pais. A lingua é o maior património que temos @s galeg@s, umha construçom colectiva do nosso povo feita ao longo de mais de 1000 anos, e que nas últimas décadas está a ser acurralada pola imposiçom do castelám.

Por último, queremos denunciar este procedemento empregado polo governo galego do PP, que dum jeito escuro e manipulador, procura obter a legitimidade social a través dumha enquisa-engano pra continuar promovendo o dominio do castelám. Resulta lamentável que o governo de tod@s @s galeg@s estea empenhado em discriminar o galego e favorecer o castelám, é umha actitude vergonhenta contra a lingua e a cultura do próprio pais, que devera levar aparelhado o mais absoluto rejeitamento por parte de toda a populaçom. Com o Decreto actualmente em vigor, elaborado polo PP, o galego fica totalmente desprotegido nas áreas mais castelanizadas, que é onde se deveram aplicar medidas positivas cara o galego, para poder garantir o futuro da nossa lingua, já que deste jeito temos ámbitos, sobre todo os urbanos, onde o galego fica marginado socialmente e o ensino promove e favorece essa discriminaçom. Desde logo, nestes ámbitos amplamente castelanizados, haverá rapaces que esteam mais familiarizados com o castelám e ainda com o inglés que com o galego, sendo umha situaçom que nom se pode definir doutro jeito que de lamentável.