O Facho disponibiliza áudio da conferência de Alfredo Erias

A imagem dos galegos na Baixa Idade Média

Segunda, 09 Março 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

José Alberte Corral - O arquivista e arqueólogo Alfredo Erias Martínez pronunciou umha mui interessante conferência o passado dia 4 de Março de 2009 sobre: A imagem dos galegos na Baixa Idade Média, dentro do ciclo Economia, História, e Realidade Social organizado pola Agrupaçom Cultural O Facho.

Alfredo Erias, principiou a sua palestra lembrando o seu mestre e tutor, o Doutor Luís Monteagudo García, de quem aprendeu a técnica do desenho arqueológico, arte trazido ao País por Monteagudo García da Alemanha, à vez indicou que a temática a tratar na sua exposiçom está publicada no Anuário Brigantino e na página electrónica correspondente à mesma publicaçom. Muitos dos desenhos mostrados fôrom obtidos das laudas do cemitério de S. Francisco da Crunha. O cemitério medieval mais importante do País junto ao de Noia.

A sociedade galega medieval estava estratificada em três classes sociais; o que trabalhavam e geravam a riqueza, labregos, marinheiros, artesáns; e os outros dous parasitários, a clerezia e a nobreza.

Encetou a exposiçom de desenhos a cor das laudas onde estám talhados os senhores medievais, começando com reis galegos Fernando II e Afonso IX e reina galega, Beringela, o sepulcro de Joana de Castro, enterrados na catedral de Compostela. Na Corunha está também soterrado o rei Enrique II Trastamara com quem Fernám Peres de Andrade tivo muita relaçom.

Esta mençom deu-lhe pé para falar da história dessa poderosa família medieval galega, os Andrade. Mostrando desenhos das suas furnas, únicas na história medieval europeia junto com as portuguesas, ao ter talhadas cenas de caça nos laterais dos sepulcros. Umha mostra do poder e da importância de Fernám Peres de Andrade nom é só o seu sepulcro mas que em vida mandou traduzir ao galego, a Crónica Troiana.

Os desenhos das lápidas da gente do comúm, do povo, quase todas elas fôrom obtidas do cemitério de S. Francisco da Crunha, ao ser esta umha cidade de homens livres sem estar obrigados a vassalagem nem a Eireja, nem a senhor feudal e também mostrou a única existente dum dirigente irmandinho e a sua esposa, que está em Betanços.

Ao findar a sua palestra, o conferencista mantivo um gostoso debate com o público assistente.

 
 

Descarregar MP3 [10.2 MB | 1 h 27 min]