Crónica da palestra: A ortografia actual deixa-nos órfaos de Mae Certa e dos próprios irmaos

«Como se pode escrever “gente” com “x”? Nengumha língua romance o fai e todos pronunciam de forma diferente»

Sábado, 28 Novembro 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Professor Vidám Torreira

PGL – A Agrupaçom Cultural O Facho da Corunha disponibiliza no seu blogue o áudio na íntegra da palestra A ortografia actual deixa-nos órfaos de Mae Certa e dos próprios irmaos, proferida polo professor Vidám Torreira. A conferência, que se insere dentro do ciclo Língua, Literatura e Naçom, é acompanhada no blogue por umha minuciosa crónica.

Como em anteriores ocasions, o blogue do Facho, hospedado no domínio da AGAL e redigido em norma galego-portuguesa, oferece as conferências gravadas na íntegra e um resumo do ciclo de palestras 2009/2010.

Oferecemos a seguir a crónica da palestra, redigida por pessoal da associaçom:

O professor Vidám Torreira partilhou connosco umha profunda reflexom sobre o processo de normativizaçom do galego e a normativa em vigor.

O histórico galeguista denunciou o caminho escolhido pola RAG e o ILG para o nosso idioma: o isolacionismo. Facto que supom nom só o isolamento em relaçom ao português, senom mesmo a sua marginaçom a respeito das línguas romances e, o que talvez seja mais grave, a separaçom violenta da sua mae, o latim.

Catedrático de latim e grego na USC hoje reformado, utilizou a sua viçosa sabedoria para explicar a indignaçom que lhe provocava que alguns malintencionados tenham castigado a nossa língua deixando-a orfa de mae (o latim) e sem irmaos (as língua romances), crime que nom deveríamos permitir, sublinhou.

Qualificou a renúncia à ortografia histórica de “desfeita” e de suicídio. “Nom escrever a nasal palatal com o dígrafo “nh” por ter escolhido meia dúzia palavras para representar outro som (unha(s), algunha(s), ningunha(s)) nom fai sentido nengum” opinou.

Valendo-se de um projector comparou as diferentes soluçons das línguas romances para demonstrar em que consiste o isolacionismo. “Havia quatro filólogos que pensavam que @s galeg@s éramos parvos e nom podíamos aprender a pronunciar o “j” e o “g” à galega” e entom inventárom essa perversidade do xis “x” para tudo. “Como se pode escrever “gente” com “x”? nengumha língua romance o fai e todos pronunciam de forma diferente”, afirmou.

Porém, Vidám Torreira, apesar de zangado também deu mostras de optimismo e seguro da vitória do reintegracionismo: temos todos argumentos a favor e isso é a arma mais poderosa.

 

+ Ligaçons relacionadas: