O ensino do português na Galiza, a debate na TVG

Lopes Facal: «O português nom é mais que o galego útil e internacional»

Sexta, 11 Dezembro 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

De esquerda a direita, Samuel Rego, Carlos F. Amado, Joám L. Facal e Felipe Presa

PGL – O programa ‘Bos días’ da TVG acolheu um debate sobre o ensino do português na Galiza no que participárom Samuel Rego (Director do Instituto Camões na Galiza), Felipe Presa (Presidente do colectivo Docentes de Português na Galiza) e Joám Lopes Facal, que falou em qualidade de aluno de português da escola oficial de idiomas de Santiago de Compostela.

O debate, conduzido por Carlos Fernández Amado, deitou luz a respeito das possibilidades de aproximaçom lingüística e dos benefícios que a aprendizagem do padrom internacional da nossa língua poderia ter para a comunidade galega. O apresentador explicou assim que, embora todos os governos galegos tenham manifestado umha vontade de aproximaçom à língua portuguesa, nengum tomou nunca qualquer medida para concretizar a ideia.

Nesta linha, Lopes Facal explicou que «o português nom é mais que o galego útil e internacional. Nom há outra maneira de que a nossa língua tenha umha sobrevivência se nós nom nos aproximamos do mundo que nós é próprio, ao mundo do lusismo, ao mundo da fala do português, que é umha variante pura e simples do galego, e isto é cada vez mais compreendido».

Samuel Rego, na sua vez, analisou o ‘factor vizinhança’, com o que explicou a visom frequente de que o português é umha língua para se comunicar com os vizinhos, e nom para falar com 220 milhons de pessoas em todo o mundo. Rego, explicou também que a porta de uniom com Ásia, África ou América que representa o português, é o que fai que esta língua cresça muito significativamente em países da Europa do leste, ou na Estremadura espanhola. Ainda, Rego colocou um dado tirado dos informes das Naçons Unidas no que se determinou que dentro de 15 anos o português terá um número maior de falantes do que o francês, o alemám e o italiano juntos.

Felipe Presa, do colectivo de Docentes de português na Galiza, explicou que o ensino secundário é a porta e o alvo para a aproximaçom da língua, destacando que o português encaixa perfeitamente no modelo de ensino actual como segunda língua estrangeira.

O programa foi acompanhado com mensagens de telemóvel em directo dos telespectadores, que se mostrárom favoráveis à proposta de aproximaçom lusófona.

 

1ª parte

2ª parte