Porto Rico e Galiza: dois casos práticos para aprendermos sociolinguística

Crónicas das III Jornadas de Língua em Ourense (II)

Segunda, 01 Fevereiro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O professor Maurício Castro Lopes

António Carvalho - Maurício Castro, ferrolano, membro da Comissom Linguística da AGAL e militante da língua galego-portuguesa, explicou os conceitos básicos de sociolinguística: língua, comunidade linguística, bilinguismo, plurilinguismo, territorialidade... numa exposiçom em que afirmou que «voltarmos aos consensos do 1 de março não é a solução para a sobrevivência da comunidade linguística galega».

O professor Castro Lopes afirmou, perante um auditório de quase cem pessoas, que embora, por vezes, possamos pensar que a situaçom de conflito lingüístico existente na Galiza é anómala em relaçom a outros processos de substituiçom lingüística existentes no mundo, na realidade «é umha problemática comum a outros casos».

Para comprovarmos que os problemas que enfrenta a comunidade lingüística galega nom som devidos a algum mal atávico e que se reproduzem em contextos semelhantes, colocou um exemplo em que a língua maiorizada na Galiza ocupa uma posiçom menorizada: Porto Rico. Em ambos casos vimos como, no fundamental, funcionam os mecanismos ideológicos de dominaçom sociolingüística.

Maurício Castro conclui a sua conferência citando Carvalho Calero: «é imprescindível a conquista de todos os mecanismos de poder», ou então, acrescentou, «continuaremos na costa abaixo».

 

Maurício e Alberto nos momentos prévios à conferência

 

Ouvir o áudio

 

Sobre o professor Maurício Castro Lopes

Nasceu em Ferrol, Galiza, no ano 1970. É licenciado em Filologia Galego-Portuguesa pola Universidade de Santiago de Compostela (USC), exercendo na atualidade a docência de português na Escola Oficial de Idiomas de Ferrol, após ter lecionado nas escolas oficiais de Badajoz (Estremadura), da Corunha e noutros pontos da Galiza durante a última década.

Porém, a sua relação com o idioma galego-português remonta à sua adesão militante desde a juventude, tendo participado em diferentes projetos de auto-organização em defesa dos direitos lingüísticos do povo galego. É autor ou co-autor de obras divulgativas como a História da Galiza em banda desenhada (1995), Manual de Iniciaçom à Língua Galega (1998), Manual Galego de Língua e Estilo (2007) ou Galiza Vencerá! (2009).

Presidiu o primeiro Centro Social reintegracionista em defesa do galego, aberto pola Fundaçom Artábria em Ferrol no ano 98. Posteriormente, em 2007, foi eleito membro da Comissom Lingüística da AGAL (Associaçom Galega da Língua), da qual continua a fazer parte. Tem colaborado ou colaboração publicações impressas como Abrente ou Agália, e com meios digitais como o PGL, Vieiros ou Gznacion, entre outros.

 

+ Ligaçons relacionadas: