Protocolo da Fundaçom Meendinho com o Clube Fenianos

Manuela Ribeira Cascudo, Ana Cabanas Gomes, Isaac Alonso Estraviz e Luiz Gonzaga em representação da Meendinho

Quinta, 04 Novembro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O professor Isaac Alonso Estraviz falou em nome da Fundaçom Meendinho

PGL - O sábado, 23 de outubro, era o dia sinalado para a Cerimónia de Ratificação do Protocolo de Amizade e Cooperação entre o Clube Fenianos Portuenses e Fundaçom Meendinho. O evento foi programado para começar às 7 da tarde hora portuguesa no grande local dos Fenianos, ubicado na Rua Clube Fenianos, nº 29, ao lado da Câmara Municipal do Porto.

Por problemas surgidos na última hora só puderam assistir pola parte galega Manuela Ribeira Cascudo, Ana Cabanas Gomes e Isaac Alonso Estraviz e pola portuguesa Luiz Gonzaga. Não puderam assistir três sócios pola parte galega e outros três pola portuguesa.

O sarau começou às 7 da tarde com um intercâmbio de presentes por ambas as partes. Às 7h30 teve lugar uma lauta ceia oferecida polos amigos portugueses no Restaurante dos Fenianos. Às 9h30 abertura do sarau cultural no Salão Nobre.

Ouve uma apresentação do ato por parte do Secretário dos Fenianos. Falou depois o Eng. Madeira, Presidente da Assembleia dos Fenianos, dando umas emotivas Boas-Vindas aos galegos. Imediatamente interviu o "Grupo Coral Fenianos Portuenses" interpretando as seguintes peças musicais: Gradual, Ai Linda Amiga, Avé Maria Festiva, Oração à Luz e Vira do Minho. As atuações foram fantásticas criando um ambiente especial.

Mudou-se de papel. Interviu Luiz Gonzaga, depois correspondeu-lhe o turno ao Prof. Estraviz que emocionado polo que acabava de ouvir, fez referência a uma homenagem oferecida polos membros do Seminário de Estudos Galegos suprimido no começo da guerra ao catedrático Joaquim Rodrigues dos Santos Júnior no Hostal Compostela e que agora se abria com o nome de Instituto de Estudios Gallegos Pe Sarmiento por considerar que fora ele quem o conseguira numa entrevista com o ministro Ibáñez Martin em Madrid.

Nessa homenagem falara Otero Pedrayo de pé e depois o homenageado de joelhos. Depois centrou-se no tema Do Návia ao Mondego semente da língua portuguesa, para desmentir as afirmações dos primeiros gramáticos portugueses que falavam de Entre Minho e Douro semente da língua portuguesa, terminando a sua intervenção parafrasendo a frase de Fernando Pessoa: "Não sou espanhol, pois a minha pátria é a nossa língua comum".

Interviu o Dr. Álvaro Nazareth, Presidente dos Fenianos falando do poeta Meendinho e da Fundaçom que leva seu nome e que a partir de agora seriam frutíferas as relações que se acabavam de ratificar. Assinaram o documento polos Fenianos o Dr. Álvaro Nazareth e pola Meendinho, o Vice-presidente, Isaac Alonso Estraviz.

Terminadas estas intervenções, outro grupo coral dos Fenianos o "Grupo de Cantares Serões da Aldeia" com as seguintes composições populares do Minho e Trás-os-Montes: Rosa Tirana (Minho), Primavera (Trás-os-Montes), Senhora Ana (Minho) e Ribeira vai Cheia (Douro Litoral) que, como os anteriores foram maravilhosas. O Maestro antes do começo ofereceu à Meendinho um azulejo com um barco rabelo sob da Ponte do Caminho de Ferro com a legenda "Grupo Coral Fenianos Portuenses".

Uns minutos depois subia ao cenário um "mágico" para fazer a Queimada que, num momento dado foi ajudado por Ana Cabanas e Manuela Ribeira para lhe indicar os ingredientes necessários. O ritual foi do mais teatral entrando com um tridente e uma bengala, dando voltas e recitando umas palavras mágicas não fáceis de perceber. Puseram lume à Queimada e ele começou com a dramatização do Conjuro da mesma. Todos o pessoal seguia muito atentamente as modulações de voz, elevando o som, baixando-o, umas vezes com voz forte e outras quase imperceptíveis... Nunca tal cousa se tinha visto. Afinal pessoas ali presentes foram ter com ele para saberem quem fizera tal prodígio e ficaram assombrados ao descobrirem que era o Luiz Gonzaga, pessoa por eles muito conhecida.

As 70 e pico pessoas que habia naquele momento no Salão provaram e aprovaram o bem que ficara a queimada, cousa que viram pola primeira vez.

O sarau terminou às 12h30 hora local. Com uma noite excepcional às 3h30 da manhá chegávamos ao Cervelo.

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.