Torre de Moncorvo, apresentação de "Santos Júnior e os Intelectuais Galegos"

Dia 7 de março, às 19h00, ato de lançamento no Museu Municipal de Ourense

Terça, 06 Março 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - A viagem foi ótima. Íamos no mesmo carro: Manuela Ribeira Cascudo, Rosita Alonso Lozano e Isaac Estraviz. Paramos em Chaves para matar saudades. Depois Valpaços, Vila Flor e ao pouco tempo Torre de Moncorvo. Estacionamos na parte alta, jantamos no Restaurante Jardim, visitamos a imponente igreja e várias lojas.

Às duas horas portuguesas estávamos diante da Biblioteca Municipal para descarregar os 100 e tal exemplares que a Câmara Municipal comprou para oferecer a escolas e pessoas individuais.

Às 15 era a hora sinalada [sábado, 3 de março]. Vieram pessoas de Lisboa, Coimbra, Aveiro, Braga, Chaves, Porto... O salão ficou cheio de pessoas muito interessadas no ato, alguns já conhecidos polo palestrante e outros que ele não conhecia mas eles sim. Entre o pessoal estavam todos os da família de Santos Júnior, filho, Norberto Santos. Os tres filhos de Norberto: Ana, Jorge e Norberto, bisnetos em linha direta ou colateral, Presidente da Câmara, bibliotecária, arquiveira e todo o pessoal que trabalha na mesma e os que trabalham no espólio de Santos Júnior e no de Armando que fora embaixador na Japão.

Torre de Moncorvo tem uma rica biblioteca e esses dous espólios no Centro de Memória Histórica e um arquivo que conserva manuscritos de muito valor medieval. É uma vila pequena mas muito linda e com uma riqueza bibliográfica extraordinária.

O ato começou com umas palavras do Presidente da Câmara engenheiro Fernando António Aires Ferreira ao que seguiu o filho de Santos Júnior com a leitura de uma página muito emotiva dedicada aos ali presentes mas de um jeito especial ao autor da obra (veja-se abaixo).

Continuou depois o autor do livro Isaac Alonso Estraviz que pronunciou um discurso muito emotivo acompanhando o texto com um power point gerenciado por Manuela Ribeira Cascudo. O pessoal estava muito atento. Lá ninguém mexia, só para aplaudir perante alguma expressão que os motivou.

Uma vez terminado o ato as pessoas que ficavam livres foram comer uns doces acompanhados de uns excelentes vinhos. O autor ficou sentado assinando livros aos assistentes por espaço de uma hora. Ao final canso mas muito contente.

Em todo momento estávamos todos à vontade como em própria casa e entre os seis galegos ali presentes e os demais reinava uma harmonia como se se conhecessem de toda a vida. A cultura e a fala comuns eliminavam todo diferencialismo.

O dia 7, às sete da tarde, terá lugar o lançamento no Museu Municipal de Ourense. Esperamos que ninguém dos que compartimos os mesmos ideais falte à cita, para, juntos, defendermos a nossa identidade perante os tempos que nos esperam.

 

Palavras de Norberto Santos

Exmo. Senhor Presidente da Câmara de Moncorvo, Engenheiro Aires Ferreira,

Exma. Senhora Dona Helena Pontes,

Caríssimo Dr. Estraviz,

Minhas Senhoras e meus Senhores,

Ao sabermos do propósito em fazer um Epistolário da correspondência do meu pai, com os seus homólogos Galegos, eu, e toda a família Santos Júnior, ficamos profundamente interessados, achando a ideia, sem dúvida, de um rasgo criativo, e de reflexão, sobre os aspectos pedagógicos, para as futuras gerações de investigadores.

Pois, nestas cartas, verificamos imediatamente, os pilares fundamentais que regem, ou deviam reger, ainda hoje, o intercâmbio cultural científico.

A paixão do Dr. Estraviz, pela interculturalidade, é o reflexo das suas notáveis qualidades de observador, conhecedor de apurado espírito na avaliação do mundo moderno.

Esta publicação demostra a dedicação, a dignidade na troca de conhecimentos e saberes entre cientistas, onde a disciplina e o respeito mútuo foi uma constante, e, com o caminhar dos anos de intensivo trabalho, foi-se formando uma amizade sólida, que apaga a aparente aridez entre investigadores, atribuida sim, à pobreza de carácter de alguns, que pretendem plagiar os trabalhos de outrem.

Senhor Presidente da Câmara, mais uma vez demonstrou Providência, ao analizar a projecção e o significado desta obra com a apresentação em Moncorvo. Parabéns.

Senhor Doutor Estaviz, a família Santos Júnior muito o felicita e deseja-lhe os maiores sucessos com esta publicação e para os seus trabalhos futuros.

Em nome da Família Santos Júnior um muito obrigado.

 

+ Ligações relacionadas: