Neira Vilas recebeu o 'Facho de Ouro 2009'

Sexta, 06 Fevereiro 2009 10:32

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O Facho - Na noite de 31 de Janeiro do 2009, o escritor Xosé Neira Vilas recebeu na cidade d’A Corunha o Facho de Ouro em reconhecimento da sua trajectória na defesa da Cultura e do País. A carom do homenageado estava a sua inseparável companheira de angueiras, Anisia.

Com o Facho de Ouro, a nossa Agrupaçom tenta dar um pequeno agasalho de agradecimento e distinçom a todos os bons e generosos que tenhem e tivérom como cerne da sua tarefa cidadá a emancipaçom dos galegos como povo e cultura. Sem dúvida algumha, Xosé Neira Vilas pertence a esse conjunto de pessoas de bem que sempre se comprometérom com os humildes da Terra e com a sua libertaçom.

Mais de 50 amigos estivérom presentes na ceia que acompanhou ao acto cívico, temos que sublinhar a presença do seu grande companheiro Isaac Díaz Pardo com a sua esposa, Minina; para assim mostrar a sua identificaçom com o autor de Memorias dun neno labrego.

Pretender resumir nuns parágrafos o percurso existencial de Neira Vilas é umha tarefa impossível polo que sublinharemos só alguns aspectos da mesma que na noite passada fôrom lembrados polo autor e lhe servírom para ressaltar a pessoas fulcrais no exílio argentino que com a sua testemunha mantivérom o lume aceso da dignidade da Galiza na dura caminhada polo longo páramo que foi a tirania franquista.

Neira Vilas emigra a Bons Aires no ano 1949, é a sua estáncia naquela cidade onde toma consciência de Galiza como Naçom e dos galegos como povo escravizado. O contacto com os intelectuais do exílio: Rafael Dieste, Luís Seoane, Ramom Suárez Picallo, Lorenzo Varela, Ramom de Valenzuela, etc.. é o ponto crucial da sua existência como cidadao, som as alavancas com que o moço Neira Vilas se constrói e convertem-no num dos activistas da dinámica reivindicativa e cultural galega no Mar da Prata.

Secretário-Geral das Mocidade Galeguistas e co-director do periódico Adiante. Participa na comissom organizadora do Primeiro Congresso da Emigraçom Galega. Casa em 1957 com Anisia Miranda. Juntos fundam a organizaçom livreira e editorial Follas Novas para difundir o libro galego em América. Publica em 1960 o poemário Dende lonxe, e em 1961 a novela Memorais dun neno labrego. Nesse mesmo ano, 1961, Neira e Anisia vam residir a Cuba.

Nos trinta e um anos que viveu em Cuba escreveu a maior parte da sua obra literária. Na Argentina e em Cuba fijo investigaçons sobre a presença da emigraçom galega nesses e noutros países de América, e deu a conhecer diversos livros arredor do tema. Radicou-se, com Anisia (escritora e jornalista) em Gres, no lugar natal, onde preside a Fundacom Cultural Xosé Neira Vilas.

 

 
Neira Vilas recebeu o 'Facho de Ouro'
 
 

Descarregar MP3 [5.6 MB | 49 min]

 

A Educaçom em Tempos do Neoliberalismo

Por outro lado, a agrupaçom corunhesa continua com os seus ciclos de conferências, divulgando na rede todas e cada umha das mesmas. Desta vez, damos notícia da pronunciada por Jurjo Torres Santomé, Catedrático de Didáctica e Organizaçom Escolar na Universidade da Corunha e intelectual de reconhecido prestigio dentro da comunidade cientifica internacional dentro dos campos da educaçom, que interveu no passado dia 4 de Fevereiro no ciclo Língua, Literatura e Naçom com umha exposiçom subordinada ao título «A Educaçom em Tempos de Neoliberalismo».

 
 

Descarregar MP3 [9.9 MB | 1h 26 min]