Xurxo Souto acusa a Junta de estar «seqüestrada» por umha elite galegófoba

O comunicador corunhês vê na mocidade urbana o futuro do idioma

Sexta, 16 Outubro 2009 08:37

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - Numha entrevista publicada hoje polo Xornal de Galicia, o artista e comunicador Xurxo Souto acusa o Governo galego de estar «seqüestrado» por umha minoria «que reivindica nom saber galego como umha forma de status».

Frente a isto, Souto, que forma parte da plataforma Queremos Galego, chama a sociedade galega a «romper com a preguiça» e a abandonar o papel de espectador para que nom seja essa minoria a que tenha o protagonismo do debate.

Na entrevista, o artista corunhês insiste na luita contra a preguiça. Na sua análise, no fim da ditadura houvo um exame de consciências colectivo graças ao qual se chegou à conclusom de que o galego estava marginado, e algumhas pessoas dérom passos na frente polo idioma. «Mas isso era um meio, nom um fim, havia que seguir trabalhando no dia a dia». Aí, a preguiça e a falta de apoios institucionais claros teriam levado para que se freassem os avanços. «Fomos uns preguiceiros e caímos na indolência», lamenta.

Sempre crítico, mas também sempre optimista, Souto coloca na mocidade urbana a responsabilidade polo futuro da nossa língua. «Quem nom fala galego? A gente nova. Quem valora mais o galego? A gente nova. Por isso precisam referências que os animem a dar um passo cara adiante».

 

+ Ligaçons relacionadas: