Entrevista a José André Lôpez Gonzâlez no Diário Liberdade

«A Galiza fai parte da lusofonia»

Segunda, 15 Março 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

José André Lôpez Gonçâlez

PGL – O jornal soberanista Diário Liberdade, publicou recentemente umha entrevista com José André Lôpez Gonçâlez, conhecido popularmente polo estudo de recuperaçom do Apalpador, em que também se dá conta do seu trabalho à frente da ediçom lusófona do Marxist Internet Archive.

Incorporado ao projecto do Diário Liberdade desde o primeiro dia como colaborador na secçom de Opiniom, José André compagina o seu tempo de lazer com a perseverante dedicaçom voluntária à compilaçom e classificaçom de textos marxistas em galego-português, que representam já a terceira língua com mais volumes no Marxsit Internet Archive (MIA).

«A secçom em galego-português nasce pola necessidade de acrescentar para umha parte muito importante da humanidade, de muitos milhons de falantes, como é a nossa área lingüística, o número de textos marxistas. Envolvim-me no projecto por duas razons: primeiro, porque a Galiza fai parte da lusofonia e, segundo, porque, infelizmente, dentro da Galiza nom há muitos textos marxistas colocados», explica José André.

Nesta linha, acrescenta: «A Galiza tinha de estar inserida nalgum lugar neste site (MIA), e claro, era um despautério que ocupasse um lugar peculiar dado a sua estrutura lingüística e mesmo dado a sua ligaçom económica entre o nosso país e o norte de Portugal».

Quanto à aposta do MIA pola estratégia galego-portuguesa, Lôpez Gonçâlez explica que esta foi umha estratégia clara desde os inícios do projecto: «Lembro que um camarada do MIA, que mora na Brasília, doutor em traduçom e que, logicamente, estudara fundamente a língua portuguesa e as suas origens, tinha certa curiosidade polo facto de os galegos e galegas escreverem numhas páginas de umha maneira, que lhe parecia muito espanhola, e noutras doutra maneira mais acorde com o sistema lingüístico galego-português. Mas ele nom deixava de distinguir que mesmo escrito em espanhol aquilo era português».

Estas e outras questons podem ser lidas na íntegra nesta ligaçom.

 

+ Ligaçons relacionadas: