Entrevista a Antón Louro (PSdeG-PSOE, Ponte Vedra)

«Deve haver um orçamento específico para os diferentes programas de normalizaçom lingüística, mas nom cremos prioritario contar com umha concelharia específica»

Quarta, 18 Maio 2011 08:15

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - Quarta entrega da série de entrevistas do Portal Galego da Língua com motivo das eleiçons autárquicas de 22 de maio. Hoje, com Antón Louro, até há poucas semanas delegado do Governo espanhol na Galiza, e atualmente candidato do PSdeG-PSOE à Cámara municipal de Ponte Vedra.

Em que lugar situa a questom lingüística no seu programa para estas eleiçons e porquê? Quais som as suas prioridades?

A questom lingüística ocupa um lugar importante no nosso projeto político. Aspiramos à normalizaçom lingüística de Ponte Vedra e da Galiza, onde as duas línguas sejam umha grande riqueza. Som instrumentos privilegiados para nos entendernos com umha boa parte do mundo. Aspiramos a que a utilizaçom de qualquer umha das duas línguas nom tenha umha conotaçom negativa.

Que concelho destacaria como modélico relativamente à política linguística?

Nom podemos presumir de um modelo determinado. Queda muito caminho por andar. Os distintos modelos que se pratican vivem todos do êxito e da contradiçom entre as diferentes apostas idiomáticas e temos que unificar um critério comum.

Crê necessário um orçamento próprio para o Serviço de Normalizaçom Linguística (SNL) ou mesmo potenciar uma concelharia? Por quê?

Considero que deve haver um orçamento específico para os diferentes programas de normalizaçom lingüística, mas nom cremos prioritario contar com umha concelharia específica para esta matéria.

Todos os concelhos devem ter um regulamento/ordenança de normalizaçom linguística?

Haverá que estudar se é mediante algum desses dous procedimentos ou por outra fórmula de gestom.

Na Galiza está a haver umha quebra na transmissom familiar da língua. Que açons e políticas desenvolveriam no plano autárquico neste ámbito nas faixas de idade infantil e juvenil?

Temos que pôr os instrumentos necessários para fazer que a língua seja um instrumento útil e de grande prestígio cultural. Porém, nós apostamos por um impulso desde todas as áreas municipais ao uso da língua galega em todos os setores de populaçom... mas, isso sim, especialmente na mocidade.

Quais que som os fatores determinantes para o galego estar a retroceder socialmente?

Nom considero que o galego esteja retrocedendo em termos sociais e culturais. O galego, como outras muitas línguas do mundo, sofre um processo de globalizaçom derivado das novas tecnologias da comunicaçom e da informaçom. Cumpre lograr que estas tecnologias sejan também um suporte para as línguas minoritárias.

Destaque os puntos fortes e fracos da política lingüística levada a cabo no seu concelho nos últimos quatro anos?

Creio que se fizo umha razoável açom política em matéria de língua e cultura no Concelho de Ponte Vedra durante o último mandado municipal.

 

+ Ligaçons relacionadas: