Carlos Blanco: «No Brasil dás-te de conta de que eles falam a tua língua e tu falas a língua deles»

O diário Galicia Hoxe publicou umha alargada entrevista com o artista no fim-de-semana

Segunda, 13 Junho 2011 10:22

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - No passado fim-de-semana, o diário Galicia Hoxe publicou umha alargada entrevista com o monologuista Carlos Blanco. Na ampla conversa, o multifacetado artista debruça-se sobre a sua trajetória profissional, projetos... e o universo lusófono.

Quanto a esta última questom, Blanco, quem reconhece ter pensado em galeguizar o apelido para Branco, embora nom deu o passo «por preguiça», situa no Brasil «a pervivência da língua». Segundo as suas palavra, «aos que dizem que "o galego nom serve para nada", eu diria-lhes "vai ao Brasil e depois contas-me"».

Segundo o afamado monologuista, «no Brasil dás-te de conta de que eles falam a tua língua e tu falas a língua deles». No que diz respeito de possibilidades de trabalho, lamenta que «perdemos muito tempo» porque «nom se quijo ver que o Brasil ia ser o que é hoje: umha potência mundial a nível económico e cultural».

Salienta também que nos últimos tempos está a haver muitos trabalhos em comum, e cita o exemplo do disco Acrobata, de Ugia Pedreira e Fred Martins, ou o mais recente Meu Canto, de Uxía. «Creio que temos de ver o Brasil como um continente e nom como um país. Há que pensar o Brasil estado por estado. A mim atrai-me muito São Paulo porque é o mais galego do Brasil»,

 

+ Ligaçons relacionadas: