Concelheira de Cultura da Corunha critica que se fizo programaçom «demasiado galega» na etapa anterior

«O importante é que para que che interesse a cultura tens de a entender, e tem de estar num idioma que entendas»

Terça, 09 Agosto 2011 09:49

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Ana Fernández, vereadora de Cultura da Corunha no novo governo do PP

PGL - A vereadora de Cultura da Corunha, Ana Fernández (PP), criticou em entrevista para El Ideal Gallego que o governo municipal anterior —coalizom PSOE e BNG— programou «cousas demasiado galegas».

Na alargada conversa também se pronunciou sobre outras questons, como o custo dos festejos ou o apoio às touradas.

Segundo Fernández, para os festejos deste ano contárom com pouco tempo e procurárom dirigir-se «a todo tipo de público». Assim, formárom parte da programaçom o Noroeste Pop Rock 2011, um concerto do espanhol Sergio Dalma, a Feira Taurina e as Casas Regionais, que som um «clássico dentro das nossas festas», indicou. Quanto às touradas, Fernández assegura que «a Concelharia nom é contra a Feira Taurina, porque tem muita gente que gosta dela, que a segue e que tem direito a vê-la».

Críticas à programaçom «demasiado galega»

Apesar de levar pouco tempo no posto, Fernández afirma que o que pior está a levar som «os titulares dos jornais». A vereadora assegura que gostaria que «se fomentasse mais o encontro do que o desencontro, a concordáncia do que a provocaçom. Gostaria de que os titulares fossem para construir». Porém, pouco depois cai, justamente, na provocaçom, ao criticar que «até o de agora estivérom-se a programar cousas demasiado galegas», o qual lembra ao conselheiro de Cultura, Roberto Varela, afirmando ao pouco de tomar posse do posto que «a cultura galega limita». Ainda, justo a seguir deixa umha frase sujeita a duplas leituras, cuja interpretaçom real nom fica aclarada polo contexto: «O importante é que para que che interesse a cultura tens de a entender, e tem de estar num idioma que entendas».

 

+ Ligaçons relacionadas: