Montero Santalha advoga pola unidade lingüística para a sobrevivência do galego

Assim o fizo saber numha entrevista que publica hoje o jornal digital GZnación

Segunda, 01 Dezembro 2008 11:49

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor
José-Martinho Montero Santalha, presidente da AGLP | Foto: Versão Original

PGL - «Fora da unidade linguística galego-portuguesa o idioma da Galiza não poderá sobreviver». Eis o cabeçalho da entrevista a José-Martinho Montero Santalha que publica hoje o diário nacionalista GZnación.

O presidente da AGLP fala também sobre a criaçom desta instituiçom. «[A ideia] de criar uma Academia Galega da Língua, distinta da Real Academia Galega, já se tem falado repetidamente desde os anos 60 do passado século, pelo menos. No entanto, a primeira ideia de constituir uma Academia Galega da Língua Portuguesa, com este nome, procede, que eu saiba, do professor Carvalho Calero».

Montero-Santalha também fala dos objectivos da Academia, entre os quais salienta «a pretensão de servir de contraste público à ideologia isolacionista, com a esperança de que os poderes políticos galegos deixem algum dia de sancionar essa ideologia como prevalente».

Perguntado sobre a polémica suscitada em determinados foros sobre a denominaçom do galego como «português da Galiza», o presidente da AGLP responde que «é habitual denominarmos a nossa língua como galego, ou mesmo como língua galega [...] Nós usamo-lo com o sentido, que cremos correcto, de língua portuguesa da Galiza; porém [...] os defensores da tendência isolacionista pretendem fazer dela uma língua independente do português do resto do mundo; de modo que, por esse motivo, a expressão língua galega pode resultar ambígua ou até enganosa».

A ligaçom entre a Academia e o reintegracionismo, o relacionamento com a RAG, as estratégias para a normalizaçom do galego ou o relacionamento luso-galego som alguns dos temas  sobre os quais Montero-Santalha também dá a sua visom na entrevista.

 

+ Ligações relacionadas: