Entrevista a Xerardo Pereiro, coordenador do emChaves

Últimos dias para inscrições nos emChaves, que decorrem de 2 a 6 de julho

Terça, 12 Junho 2012 06:58

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Valentim R. Fagim - Uma das novidades mais significativas dos aPorto 2012 é a parceria alcançada com o Polo da UTAD (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) em Chaves para criar os emChaves, que decorrerão na primeira semana de julho. O PGL decidiu entrevistar Xerardo Pereiro, o seu coordenador, para além de professor auxiliar de antropologia e turismo cultural no antedito Polo.

Que oferece Trás-os-Montes, em sentido geral, ao visitante galego?

Oferece interioridade, paisagem, cultura, património cultural, boa alimentação do corpo e da alma, o atravessar de “fronteiras” e raias, diversidades… “Três meses de inferno e nove de inverno” diz o ditado.

Na organização do emChaves estão envolvidas muitas pessoas, entre docentes e guias. Qual foi a sua receção a este projeto didático-cultural?

Foi muito positiva porque acreditam que Chaves é a porta interior de Portugal, e o nosso futuro passa pela cooperação com a Galiza. Por outro lado a causa “portugalega” está a cobrar força em Trás-os-Montes devido também a um certo abandono por parte das estruturas do Estado português. Além mais começamos a ter consciência de que a língua portuguesa é um valor não apenas educativo, cultural, comunicativo, patrimonial, identitário, porém também comercial e económico.

As aulas decorrerão em horário matutino. Como serão focadas?

As aulas terão lugar no Pólo da UTAD (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) em Chaves e terão uma componente de comunicação oral muito importante (nível B1), mas além disso o eixo central do curso será a experiência de contato íntimo com a realidade sociocultural portuguesa e transmontana em particular. As aulas serão dadas por docentes da UTAD muito experientes e as visitas de estudo serão guiadas também por docentes da UTAD, que orientarão o olhar dos participantes de uma forma científica e divulgadora do mesmo modo.

As atividades vespertinas, de turismo cultural, englobam várias lugares significativos de Trás-os-Montes, entre elas duas cidades, Chaves e Vila Real. Que encontraremos nelas?

Chaves está localizada no vale do rio Tâmega, entre montanhas, numa veiga muito rica em horticultura; Chaves é um concelho de cerca de 50.000 habitantes, com um centro histórico muito interessante, um rio com passeios pedestres e ciclovia, as termas com as águas mais quentes de Europa, magníficos restaurantes e bons alojamentos. Destacar que é a cidade mais turística de Trás-os-Montes e uma das mais atrativas do Norte de Portugal, fazendo parte do projeto de Eurocidade  Chaves-Verim.

Vila Real está localizada na bacia do rio Corgo, perto da zona do rio Douro património da Humanidade. Com um pequeno centro histórico muito dinâmico, a UTAD e o seu campus da Quinta de Prados é o eixo estruturador da vida desta pequena cidade transmontana de 50.000 habitantes, capital do distrito de Vila Real. Vila Real é um território urbano que tem à sua volta a famosa Casa Mateus, a estação pré-histórica de Panóias e o parque natural do Alvão.

Outro dos destinos é o eco-museu do Barroso. Que tem de especial a nos oferecer a respeito de outro museus?

O Ecomuseu do Barroso é um dos projetos culturais e patrimoniais mais inovadores da raia luso-galega, é um museu de território que apresenta a cultura do Barroso in situ e tendo em conta as interpretações dos barrosões, isto é, dos habitantes da região de Montalegre e Boticas. Os visitantes podem não só ver, mas viver experiências diferentes como conhecer um fojo de lobo, desfrutar da etnobotânica ou geologia da região, fazer um percurso pedestre por um antigo caminho do contrabando, visitar pisões, moinhos, o mosteiro de Pitões das Júnias, fornos comunitários ainda em funcionamento, o castelo de Montalegre…  É um museu ao ar livre, de comunidade, onde os guias são os próprios habitantes do território.

Por fim, Pesa de Régua e as termas de Vidago completam a rica oferta de turismo cultural. Podia descrever-nos ambos os destinos?

Peso da Régua tem o Museu do Douro e é um destino para conhecer o rio Douro e a paisagem cultural declarada património da humanidade pela UNESCO. Ali é possível viver a experiência de um passeio de barco pelo próprio rio Douro ou visitar uma quinta enoturística.

As Termas de Vidago, no concelho de Chaves são um ex-libris da região e a recuperação do Vidago Palace para hotel balneário, obra do arquiteto Álvaro Siza Vieira vale mesmo a pena. Além nos seus arredores é possível visitar a Quinta de Arcossó, que une viticultura e turismo para oferecer os melhores vinhos da região de Chaves.

Queríamos acabar esta entrevista com um seu desejo para a 1ª edição dos emChaves.

O meu desejo é que os participantes se sintam felizes em Chaves e satisfeitos com o programa que temos preparado.

 

aPorto 2011 - Do outro lado do rio

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 

 

 

+ Ligações relacionadas: