Suso de Toro: «Discrepo da conceçom da língua reinante, da visom instituída na Autonomia governada pola direita»

Entrevistado com motivo do início da publicaçom por entregas de O Crânio de Castelão

Quinta, 25 Abril 2013 10:40

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - O semanário Sermos Galiza publica hoje na ediçom digital umha alargada entrevista com o escritor Suso de Toro. Nela, o autor compostelano denuncia a codificaçom do galego imposta pola Real Academia e reivindica umha virada de rumo orientada à Lusofonia.

O pretexto para a entrevista foi, precisamente, umha iniciativa de aproximaçom à Lusofonia: a publicaçom no número 35 do Sermos Galiza do capítulo que assina Suso de Toro no romance coletivo por entregas O Crânio de Castelão, trabalho coordenado por Carlos Quiroga em que participam 11 autores lusófonos.

Em opiniom de De Toro, «entre as novas geraçons de ativistas da cutlura, impom-se a ideia de achegamento ao português». Neste contexto, «as posiçons que mantém a Real Academia Galega só respondem a umha situaçom de equilíbrio de poder político», isto é, «a posiçom da RAG a respeito da autonomia [da Galiza] corresponde-se com a derrota política deste país».