Valentim R. Fagim: «Devemos ser pedagógicos»

«Levamos desde o 1981 seguindo umha serie de tácticas, discursos... Logramos avances, mas tem de haver mais»

Sábado, 20 Junho 2009 14:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Valentim R. Fagim, presidente da AGAL

PGL - Numha entrevista concedida ao diário Galicia-Hoxe, o presidente da AGAL falou a respeito do que pode aportar o reintegracionismo linguístico à sociedade e explicou seu plano de acçom.

O presidente da AGAL, falou da táctica pedagógica que assumirá a associaçom nos próximos quatro anos e que terá por finalidade “tentar chegar às pessoas. Às que som galego-falantes, fazer-lhes ver que a estratégia do galego-português é mais proveitosa do que a estratégia galego-castelhana, dependente do castelhano. E às que falam castelhano, explicar-lhes o salto qualitativo que supom ser bilingües em castelhano e galego-português”.

Deste jeito, desde o Conselho Nacional proponhem umha série de medidas para ampliar o alcance social do seu discurso tal que lançar produtos de formaçom reintegracionista; organizar encontros bianuais da língua, jornadas e relatórios didácticos; potenciar a participaçom em encontros internacionais e afundar no trabalho de interlocuçom institucional procurando pontos de confluência com outros colectivos. Neste senso, o professor Fagim, ainda tem umhas palavras de agradecimento para com os muitos centros sociais do País que apostam pola normativa etimológica e internacional do nosso idioma para o seu trabalho diário.

Na entrevista, Fagim, tratou ainda outros pontos como o universo cultural que pode oferecer a lusofonia, o debate a respeito da profissionalizaçom e a intençom de criar um PGL (Portal Galego da Língua) mais dinâmico com maior contido audiovisual e até criar umha web da AGAL-editora.

O presidente conclui que perante a situaçom actual que vive a língua com o governo do PP, a gente tem de mobilizar-se mais, pois “agora somos mais conscientes do processo de substituiçom lingüística. O reintegracionismo tem a vantagem de que vai à raiz do problema, que é a dependência a respeito do castelhano, desde o ponto de vista lingüístico, cultural e outros".

 

+ Ligaçons relacionadas