"Galego, português, galego-português: discursos e percepçons"

Palestra na Universidade Nova de Lisboa

Terça, 10 Abril 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Palestra do professor Lema na Universidade Nova

PGL - Na quinta-feira, 12 de abril, o professor Paulo Martínez Lema (leitor de Língua e Cultura Galegas na Deustuko Unibertsitatea) vai ministrar na Universidade Nova de Lisboa umha palestra sob o título "Galego, português, galego-português: discursos e percepçons". O local e a hora estám ainda pendentes de concreçom.

O propósito desta intervençom é familiarizar o alunado português com as duas grandes sensibilidades (com as suas correspondentes estratégias de acçom) existentes na actualidade no que diz respeito ao relacionamento entre galego e português, quer dizer, umha postura maximizadora ou reintegracionista (que visa a reinserçom do galego no universo lusófono, para o converter numha língua extensa e útil) face a umha postura minimizadora ou isolacionista (que percebe galego e português como realidades lingüísticas diferenciadas e que devem seguir rumos próprios).

Porém, a palestra nom procura centrar-se em excesso em questons normativas, ortográficas ou de codificaçom do corpus lingüístico, senom que quer fazer um percurso polas concepçons e linhas discursivas que fôrom desenvolvendo-se sobre este tema ao longo dos séculos, desde a Idade Meia até a época hodierna, passando polas opinions dos gramáticos e eruditos dos séculos XVI e XVII, dos iluministas do século XVIII e, finalmente, dos principais representantes do galeguismo histórico, que virom no português umha fonte de arrequecimento e dignificaçom do galego nem sempre devidamente explorada.

A ideia é detectar a interacçom desse discurso lingüístico (ou pseudo-lingüístico, nalguns casos) com outros discursos de carácter mais claramente político ou ideológico, e definir em que medida as nossas estruturas mentais sobre as línguas (e, nomeadamente, sobre galego e português) se encontram condicionadas por factores de natureza extralingüística.