Lançamento em Corcubiom de "Janela Aberta" de José Alberte Corral

Quinta, 12 Dezembro 2013 10:56

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - A ATRAVÉS|EDITORA, carimbo editorial da Associaçom Galega da Língua (AGAL) apresenta o livro de relatos Janela Aberta do escritor e professor José Alberte Corral (Corunha, 1946) esta quinta-feira, 12 de dezembro, às 20h30 na Capela do Pilar de Corcubiom com a presença do autor, Sérgio Iglesias e Ramom Vasques. Organiza a Universidade Cromática das Virtudes.

Como expom Carlos Quiroga, autor do prefácio do livro:

Janela Aberta congrega 20 relatos curtos em que a vontade de observar a sociedade e o mundo (certa sociedade próxima, certo mundo conhecido) está por cima da vontade de transformá-los sem que esse alento desapareça ou se resigne, e mesmo aocontrário, porque se pressente palpitar por baixo com a certeza já irrenunciável de quem nada tem perder. Por isso e em especialpara este livro se poderia asseverar que Corral é hoje e aqui mais urso e mais grande. A luta do operariado também hoje se convoca mas no seu jeito indireto sabe como nunca a verdadeiro. Depois, os encontros pessoais que resultam em encontros da saudade e em miragens, os afetos, amores, as faces várias da realidade de um país de emigrantes e, acima de tudo, esse país da Infância Imóvel, imóvel como o Imemorial, de que fala Bachelard, tocam sempre no nervo mais pessoal de quem lê porque vai ao encontro do seu individual universo.

O autor

altJosé Alberte Corral nasceu em Monte Alto (Corunha) a 26 de fevereiro de 1946. É professor Mercantil e Licenciado em Ciências Económicas e realizou estudos de jornalismo na U.C.V. de Caracas (Venezuela).

Co-fundador da Agrupaçom Cultural "O Facho", militou em organizaçons clandestinas na luta contra a tirania clerical-fascista do franquismo, o que o levou a fugir para o Chile de Allende. Depois de intensas experiências no Chile e Argentina, rematou na Venezuela até depois da morte de Franco.

Obra
Del amor y la memoria, poesia em castelhano (1ª ed.: Ateneo de los Teques-Venezuela; 2ª ed.: Emboscall-Vic). Além disso, colaborou com diversos ensaios em distintas revistas de pensamento político na Venezuela. No retorno publicou, já em galego, Palavra e Memória, poesia (AGAL, Galiza), Acarom da Brêtema, poesia (AGAL, Galiza), Do lusco-fusco, relatos (Baía Edicións Galiza), Detrás da palavra, poesia (AGAL, Galiza), Buracos no espelho, relatos (AGAL, Galiza), O livro de barro, poesia (ToxosOutos, Galiza).

 

alt

 

+ Ligação relacionada: