PP e PSOE rejeitam iniciativa em defesa do galego na CRTVG

A proposta incluía incrementar a presença da Lusofonia na programaçom dos meios públicos e aprimorar os usos lingüísticos

Terça, 14 Junho 2011 07:01

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Bieito Lobeira, porta-voz de Língua do BNG no Parlamento

PGL - Do grupo parlamentar do BNG denunciam a aliança entre o PP —que votou contra— e o PSOE —que se abstivo nalgum dos pontos— para chumbar dias atrás umha iniciativa dos nacionalistas que visava a «efetiva galeguizaçom» da Companhia de Rádio/Televisom da Galiza (CRTVG).

O Bloco decidiu clarificar agora vários aspetos da sua proposiçom nom de lei devido a que na mesma data, 10 de junho, PSOE e PP pactuárom a reforma do quadro legal da CRTVG que, supostamente, «blindará» o uso exclusivo do galego nos meios públicos do País.

Contudo, o grupo parlamentar nacionalista entende que a rejeiçom recebida à sua proposiçom nom de lei se deveu apenas a que o BNG procurava «o monolingüismo nas emissões destes meios públicos», um «terrível delito», ironizam.

Na proposta que acabou por ser chumbada o BNG reclamava diferentes melhoras nom apenas do ponto de vista do uso quantitativo do galego, mas também do qualitativo e até do relacionamento particular com a Lusofonia.

Quanto à seleçom de 'opinadores' e especialistas, do BNG reclamavam que a seleçom se faga em funçom do uso do galego, impedindo a participaçom de vozes autorizadas ou comentaristas que utilizem habitualmente o castelhano. Denunciam que a presença de castelhano-falantes nos espaços de opiniom e debate nos meios públicos é cada vez mais freqüente, e citam os exemplos da Crónica (Rádio Galega) ou do Foro Aberto (TVG).

No que diz respeito dos usos por parte dos profissionais, o Bloco reclamava que nas entrevistas com desportistas galegos ou com aqueles cuja residência habitual é a Galiza, os jornalistas deviam usar sistematicamente a nossa língua.

Já no relativo à qualidade lingüística, pediu-se a «pulcritude fonética» e a «eliminaçom de híbridos castelhanistas» como parte dos critérios de seleçom para apresentar espaços na televisom ou na rádio

Quanto ao caráter da CRTVG como serviço público com um papel importante na normalizaçom da língua galega, o BNG instava a que a Companhia seja o «motor da produçom audiovisual galega», apoiando projetos galegos e em galego com o alvo preferente da exibiçom em salas comerciais. Também garantir a receçom dos meios públicos galegos nas comarcas galego-falantes situadas fora dos limites oficiais da Comunidade Autónoma da Galiza.

Sobre os critérios informativos cabe destacar, ligando com o anterior, incrementar a presença das comarcas estremeiras na programaçom da CRTVG e dar um tratamento preferencial às notícias procedentes dos países de língua oficial portuguesa, especialmente Portugal e o Brasil, bem como acabar com a recente prática da legendagem ou inclusom de voz em off das declarações realizadas por cidadaos lusófonos.

Finalmente, diversificar a oferta musical da Rádio Galega Música nos espaços de sessom continuada (84,5% das emissões), incluindo destarte música galeg a e em galego, bem como a procedente de outros países lusófonos.