Luanda será a sede do II Encontro de empresários de países de língua portuguesa e China

Segunda, 04 Julho 2011 18:11

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

José Carlos da Silva - A Câmara de Comércio e Indústria de Angola anunciou a realização do segundo encontro de empresários para a cooperação econômica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, nos dias 20 e 21 de Julho.

 

 

São esperados mais de 400 empresas, sendo que até o momento estão inscritas companhias da Angola, China, Portugal, Brasil, Cabo Verde e Moçambique.

O encontro, que se realizará durante a Feira Internacional de Luanda - FILDA, tem como principal objetivo a aproximação com o mercado asiático para intercâmbios comerciais e de investimentos entre países. Este intercâmbio é resultado do protocolo de cooperação dos órgãos de promoção e câmaras de comércio, assinado em Macau, em 2003, durante a criação do Fórum para Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Por este protocolo de Macau, as câmaras de comércio de cada país devem realizar anualmente de forma rotativa um encontro de empresários com o objetivo de trocar impressões e discutir oportunidades de negócios.

Informações do governo chinês apontam que até janeiro de 2011, o comércio entre a China e os países lusófonos aumentou em 45%, com cifras próximas aos 5 bilhões de dólares norte-americanos em compras e vendeu 3 bilhões aos mesmos países. O Brasil aparece como o principal parceiro econômico da China.

FILDA 2011 - A Feira Internacional de Luanda é referência para o mercado Angolano congregando os mais diversos Setores de Atividade, numa mostra única do potencial econômico angolano e das propostas internacionais nas várias áreas, que através de uma presença de mais de meio milhar de empresas expositoras conferem a este evento características únicas que tornam obrigatória a presença de todos os agentes econômicos nacionais.