AGAL, «contra-peso permanente para evitar a fossilizaçom que traz consigo o hiperdiferencialismo»

Artigo na publicaçom Terra e Tempo dedicado aos 30 anos de vida da AGAL

Segunda, 18 Julho 2011 06:37

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - A publicaçom Terra e Tempo dedica um artigo aos 30 anos de vida da AGAL. No texto, Robert Neal Baxter, reflete acerca da «pedra de toque do reintegracionismo moderno», que se inscreve aliás «na longa tradiçom do galeguismo de reivindicar a unidade do galego e do português».

Depois da AS-PG, fundada em 1976, a AGAL é «umha das mais veteranas organizaçons independentes» que continua a trabalhar pola normalizaçom do galego. Em opiniom de Baxter, um dos papeis mais destacados que tivo e tem a associaçom  é a de reafirmar a unidade do galego-português, «servindo de contra-peso permanente para evitar a fossilizaçom que traz consigo o hiperdiferencialismo», que nom faria «mais do que relegar o galego a umha situaçom de fraqueza atrofiada».

O artigo de Baxter faz também um repasso polas ferramentas da associaçom, desde a veterana revista Agália (fundada em 1985), passando pola mais recente ATRAVÉS|EDITORA (que começou em 2010), sem esquecer «as possibilidades que oferece a rede», entre as quais cita o PGL, o e-Estraviz, o Falar com Jeito ou o Dicionário de Fraseologia. Em definitiva, umha série de «recursos muito interessantes para a correta utilizaçom da versom culta da nossa língua, seja qual for a grafia que se utilizar».

Baxter finaliza a sua reflexom e saudaçom polos 30 anos da AGAL com um chamamento às pessoas que amem a língua galega para que trabalhem na sua «defesa e recuperaçom como língua nacional da Galiza», ultrapassando divisons provocadas polas diferentes conceçons da língua, unindo forças «desde a pluralidade e o respeito».


+ Ligaçons relacionadas: