Reclamam mais galego em Ferrol e Ponte Vedra

O PP vai «incrementar a pressom contra o galego» em Ferrol, segundo NÓS-UP

Segunda, 15 Agosto 2011 09:51

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O autarca ferrolano, José Manuel Rey

PGL - O partido soberanista NÓS-Unidade Popular reclamou instou a Cámara municipal de Ferrol ao cumprimento da Ordenança de Normalizaçom Lingüística. Pola sua parte, a Associaçom Cultural Amig@s da Cultura qualifica de «mui escassa» a presença do nosso idioma nas festas de Ponte Vedra.

As reivindicaçons de NÓS-UP dirigidas ao Concelho ferrolano produzem-se após diferentes meios de comunicaçom informarem de que o Partido Popular local, que governa no município, recebeu «umha representante do coletivo ultra 'Galicia Bilingüe', dedicado a defender a imposiçom do espanhol e a discriminaçom legal do galego».

Para a formaçom soberanista resulta «grave» que um governo que di ser «democrático» receba «representantes de um grupo que despreza abertamente a língua própria da Galiza. Porém, ainda nos parece mais grave a total harmonia que parece existir entre o governo municipal do PP e as ideias supremacistas defendidas por esse coletivo».

Desde 1997, existe em Ferrol umha Ordenança Municipal de Normalizaçom Lingüística que «nengum dos sucessivos governos até hoje tem assumido nem cumprido na prática, além das declaraçons de intençons», critica NÓS-UP, ao mesmo tempo que exije «medidas de fomento do galego mais ambiciosas do que essa Ordenança estabelece, pois hoje continua a ser maioritariamente incumprida».

Ainda, o PP «incrementa a pressom contra o galego e anuncia, através do presidente da Cámara em funçons, Jose Manuel Vilarinho, umha reforma que rebaixe os conteúdos dessa Ordenança Municipal, atendendo às reinvidicaçons discriminatórias de 'Galicia Bilingüe'». Por esta razom, de NÓS-UP manifestárom já a sua mais «enérgica repulsa» e instou a cumprimento da Ordenança, bem como a incorporar nela «elementos mais ambiciosos para a recuperaçom total dos usos do galego».

Mais galego em Ponte Vedra

Pola sua parte, Amig@s da Cultura qualificou de «mui escassa» a presença da língua galega nas festas de Ponte Vedra, algo que, na sua opinom, é «especialmente evidente nos concertos onde, mais um ano, só há umha artista a empregar o nosso idioma». Lembram que no País há avondas bandas e artistas «que empregam o galego nos mais variados estilos musicais e com grande qualidade, por nom falar no conjunto de países de fala galego-portuguesa». Por esse motivo, critica que o governo local, coalizom de BNG e PSOE, tenha recorrido, «como sempre» aos «artistas de moda da indústria musical espanhola».

Por último, reclamam um modelo de festas participativo e suficientemente aberto à implicaçom das associaçons culturais ou vizinais, de tal modo que as festas deixem de ser um «lazer mais passivo que ativo, um produto de consumo mais que umha atividade comunitária criadora de identidade e cultura».