Parlamento da Guiné Equatorial aprova português como terceira língua oficial do país

A medida reforça as possibilidades de o país africano entrar na CPLP

Quarta, 12 Outubro 2011 17:08

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL Portugal - A Assembleia Nacional da Guiné Equatorial aprovou, por maioria, conceder ao português a condição de terceira língua oficial do país. Exceto Plácido Micó, secretário-geral e deputado do partido CPSD, os restantes 99 parlamentares aceitaram a proposta defendida pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Francofonia, Eustáquio Nseng Esono.

Precisamente Esono defendeu o projeto como uma «decisão política» que justificou nos «vínculos culturais e estratégicos que unem a Guiné-Equatorial aos países lusófonos» e que visa «romper com o isolamento que tanto tem prejudicado a Guiné Equatorial nas relações internacionais tradicionais». Precisamente, a medida reforçará as possibilidades de o país africano entrar na CPLP, candidatura rejeitada em julho de 2010 por não ter o português como língua oficial, e apenas tem estatuto de observador.

A Guiné Equatorial tem também o francês como segundo idioma oficial desde 1997, no contexto das relações para uma integração completa numa área do continente maioritariamente francófona, integrada polos países da UDEAC (atual Comunidade Económica e Monetária da África Central). A primeira língua continua a ser o espanhol, devido a ter sido colónia espanhola até 1968.