Assembleia Nacional do BNG aprova emendas reintegracionistas

Valentim R. Fagim e Eugénio Outeiro representárom o Conselho da AGAL

Segunda, 30 Janeiro 2012 10:56

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Na imagem, votaçom de umha emenda durante a assembleia do BNG

PGL - Durante o fim-de-semana decorreu em Santiago de Compostela a XIII Assembleia Nacional do Bloco Nacionalista Galego (BNG). Durante o processo assemblear, fôrom aprovadas três emendas de marcado caráter reintegracionista e que já formam parte do texto oficial aprovado polo máximo órgão desta formaçom.

Umha das emendas aprovadas foi apresentada por Miguel Penas, e refere-se ao uso da nossa língua na Uniom Europeia. No texto original da tese política, o documento afirma que a atual arquitetura comunitária «mesmo é contrária à utilizaçom da nossa língua como oficial no âmbito das diferentes instituições comunitárias». A emenda proposta realiza o seguinte acréscimo: «No entanto, ao formarem parte o galego e o português do mesmo sistema lingüístico, a nossa língua pode ser usada oralmente e por escrito em qualquer instância europeia. Esta possibilidade de uso oral e escrito será sempre prioritária para as/os nossas/os eurodeputadas/os».

No plenário da assembleia, a emenda foi apoiada por Néstor Rego, ex-responsável do BNG de Compostela, bem como Bieito Lobeira, em nome da comissom relatora da tese. Ambos vindicárom a unidade lingüística galego-portuguesa, visom «coerente» com os postulados que historicamente defendeu o nacionalismo galego e solicitárom o apoio dos e das assembleistas. Após a votaçom, a emenda tivo quase 2.000 votos a favor e pouco mais de 40 contra e por volta de 20 abstençons.

Outra das emendas aceites, também de Miguel Penas, é um novo ponto na secçom da tese referida à normalizaçom lingüística. A proposta, que nom chegou ao plenário por ter sido aceite pola comissom relatora, afirma: «O BNG defenderá a promoçom, publicidade e difusom de toda a produçom escrita em galego sem as restrições e discriminações ortográficas atuais, tanto a nível nacional como nos âmbitos locais».

Relacionamento lusófono

Finalmente, a comissom relatora também aceitou uma emenda de compromisso sobre duas propostas complementares de Miguel Penas e José Manuel Outeiro, para deixar o seguinte conteúdo na redaçom do documento político do BNG: «Elaborar ações concretas no terreno cultural, educativo e social que reforcem o conhecimento mútuo e as relações com a lusofonia, e que evidenciem a potencialidade e projeçom internacional do nosso idioma com o objetivo de o prestigiar na nossa sociedade. Nesta estratégia promoveremos a participaçom da Galiza como membro de pleno direito na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), defendendo o afortalamento das relações culturais com Portugal, Brasil e os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP)».

Delegaçom da AGAL

No ato de encerramento da assembleia, na tarde do domingo 29, a Associaçom Galega da Língua (AGAL), estivo representada por dous membros do seu Conselho: Valentim R. Fagim (presidente) e Eugénio Outeiro (vogal). Houvo também delegações de outras entidades do âmbito cultural e lingüístico, como a Mesa pola Normalizaçom ou a Associaçom de Escritores em Língua Galega, entre outras.