Estimado recurso de apelação apresentado por ativistas pró-galego

Foram imputados por concentrar-se em defesa da língua

Segunda, 11 Junho 2012 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - A Secção 1ª da Audiência da Corunha estimou o recurso apresentado pela defesa de dez ativistas galegos pela língua imputados por concentrarerem-se contra um ato convocado pela associação espanholista Mesa por la Libertad Lingüística.

Os factos remontam-se a fevereiro de 2008, quando a Mesa por la Libertad Lingüística convocou uma manifestação na Corunha para reclamar o direito dos pais a escolher a língua do ensino dos seus filhos e 150 jovens responderam com uma concentração no mesmo lugar baixo a faixa “Na Galiza só em galego”. Como consequência, várias dúzias de manifestantes pró-galego foram imputados de um delito contra os direitos fundamentais, embora os mais foram logo excluídos por não haver contra eles provas reais e sustentáveis.

No decorrer do procedimento que investigava a identidade dos convocantes da concentração, também tiveram que declarar no Julgado de Instrução que desenvolvia a causa vários jovens que formaram parte da Mesa Nacional de BRIGA em diferentes etapas da sua história.

Finalmente, só ficaram imputadas dez pessoas para as que a Mesa por la Libertad Lingüística solicitava três anos de prisão, enquanto que a Procuradoria pedia para cada uma delas uma multa de 3600 euros. Agora todos ficam livres da imputação de qualquer delito ao ser aceitado pela Audiência da Corunha o recurso que tinham apresentado contra a decisão do Julgado de Instrução, o que põe fim de maneira provisória ao procedimento judicial.