Língua portuguesa não é estratégica para o Governo

A Estremadura espanhola concentra 70% dos alunos de língua portuguesa do Estado

Sexta, 03 Agosto 2012 08:57

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Atualmente a língua portuguesa é lecionada em apenas 9 centros, enquanto outros idiomas, como o italiano, estão presentes em 12

PGL - Saiu a oferta educativa das escolas oficiais de idiomas da Comunidade Autónoma da Galiza para o curso escolar 2012/2013. Haverá 6 novas secções:  Pontes, Burela, Sárria, Cela Nova , Riba d'Ávia e Redondela, mas a oferta de língua portuguesa, apesar da emergência do Brasil e do papel de Portugal nas exportações e importações galegas, não aumentará. Atualmente, a língua portuguesa ministra-se nas sete cidades para além de Vila Garcia e Tui.

Apesar de até o próprio presidente da Junta ter afirmado a importância da língua portuguesa, os factos revelam que há mais centros onde se leciona a língua italiana (12) do que a portuguesa (9). Neste estado de cousas, a aposta no português fica apenas em declarações, pois a língua portuguesa não está a ser tratada com o caráter estratégico que deveria ter no atual contexto.

Todo o contrário acontece na Estremadura espanhola, onde o número de alunas e alunos de português passaram de 600 em 1996 a 12.000 em 2011. Tal é a aposta estratégica que os estremenhos representam os 70% dos estudantes de Português Língua estrangeira no Estado espanhol. A aposta estratégica dos últimos governos estremenhos visam situar a região como ponte privilegiada entre os estados português e espanhol, lugar que por história corresponderia à Galiza, berço da língua portuguesa.

 

+ Ligações relacionadas: