BNG pede incorporaçom da Galiza à CPLP como observadora associada

Para os nacionalistas, só preconceitos políticos e ideológicos estám por trás do nom aproveitamento das potencialidades da Galiza

Terça, 21 Agosto 2012 12:01

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - O grupo parlamentar do BNG apresentou umha proposiçom nom de lei para tratamento na Câmara que visa a solicitude de adesom da Galiza como observadora associada à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Destarte, a formaçom nacionalista lembra que o atual artigo 35.3 do estatuto de autonomia da Galiza recolhe a possibilidade de estabelecer tratados ou convénios que permitam o estabelecimento de relações culturais com os Estados com que mantenha «particulares vínculos culturais e lingüísticos». Para o BNG, «é evidente que, sem os citar, este preceito estatutário refere-se aos Estados que, começando por Portugal, possuem rasgos históricos, culturais, mas sobretudo lingüísticos, que os permitem identificar e associar ao nosso país. Estamos a falar, pois, com toda clareza, do âmbito da Lusofonia».

Para o grupo parlamentar do BNG, a Galiza possui umha «vantagem competitiva» única no Estado espanhol, vinculada à pertença da Galiza ao sistema lingüístico galego-português. Porém, esta nom está a ser aproveitada. Um exemplo «esperpêntico» desta falta de aproveitamento ilustram-no com um exemplo tirado do âmbito educativo: atualmente há mais centros de ensino na Estremadura espanhola a ministrarem português do que na própria Galiza. Em opiniom dos parlamentares do BNG, esta situaçom «surrealista» deve-se a preconceitos políticos e ideológicos dos governos galego e espanhol, que se limitam a considerar a Galiza como «província espanhola», privando-a de explorar o relacionamento com o resto da Lusofonia. Na sua argumentaçom, do BNG lembram que mesmo umha antiga colónia espanhola, a Guiné-Equatorial, declarou o português como terceira língua oficial do país a fim de poder entrar na CPLP.

O artigo 7.1 da CPLP permite a entrada como observadores associados de aquelas entidades territoriais dotadas de órgãos de administraçom autónomos, o qual permitiria a participaçom da Galiza.

 

BNG defende vantagens da incorporaçom da Galiza à CPLP

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 

+ Ligações relacionadas: